Existem inúmeras versões para a origem do sorvete, mas o que se sabe é que ele era há muito tempo consumido no Império Romano e antiga China. Percorra as linhas a seguir e veja as curiosidades que separamos para você sobre essa delícia gelada. Você sabia, por exemplo, que existe um sorvete que não derrete?

 

A origem do sorvete é incerta. Acredita-se que ele tenha surgido na China há 3 mil anos. Os chineses costumavam misturar uma pasta de arroz e leite com gelo, criando algo parecido com a nossa raspadinha.

 

Não se sabe até que ponto é verdade, mas conta-se também que o imperador Romano Nero costumava mandar trazer neve e gelo das montanhas e misturá-los com mel e polpa de frutas.

 

Outra versão sobre a origem do sorvete no Ocidente diz que ele foi trazido da China pelo explorador italiano Marco Polo. Da Itália, o sorvete teria sido levado para a França, de onde se espalhou para o restante do mundo.

 

A primeira sorveteria do mundo surgiu em Paris em 1660. A primeira do Brasil apareceu em 1835, no Rio de Janeiro.

 

Quem abriu a primeira sorveteria parisiense foi um italiano chamado Procopio Coltelli. Detalhe interessante: Coltelli foi o inventor da máquina de sorvete. Detalhe ainda mais interessante: o estabelecimento funciona até hoje na capital francesa.

 

Uma dúvida: se a geladeira foi inventada recentemente, como o gelo usado no sorvete era conservado? Com barras de gelo misturadas com serragem e guardadas em túneis subterrâneos. O gelo se conservava por até cinco meses.

 

Criado nos Estados Unidos, o sundae recebeu esse nome por que era servido aos domingos (sunday, em inglês).

 

Assim como o sundae, a banana split foi inventada no Estados Unidos. Detalhe: ela foi criada por um farmacêutico.

 

Julho é o Mês Nacional do Sorvete nos Estados Unidos. O Dia do Sorvete é 14 de julho.

 

Sabia que existe um sorvete que não derrete? Pois é, a delícia se chama JELL-O e é produzido pela rede norte-americana Cold Stone Creamery. Ao invés de derreter com o calor, ele vira uma sobremesa parecida com o pudim.

 

Sabia que o Imperador Dom Pedro II era fanático por sorvete de pitanga?

 

Uma das sorveterias mais famosas do mundo é a Gelateria di Piazza, na Toscana, Itália. Seu criador, o mestre sorveteiro Sergio Dondoli, ganhou duas vezes a Coppa del Mondo della Gelateria – uma espécie de campeonato mundial de sorvetes.

 

Fundada pelo imigrante português Manuel da Silva Oliveira, a sorveteria venezuelana Heladeria Coromoto entrou para o Guiness – Livro dos Recordes como a que serve a maior variedade de sorvetes do mundo. São mais de 800 sabores, entre eles os comuns, como chocolate, baunilha e morango; e os incomuns, como o sorvete de macarrão com queijo.

 

O sorvete mais caro do mundo era vendido a 25 mil dólares pela sorveteria norte-americana Serendipity 3, de Nova York. A Serendipity 3 acabou sendo fechada por ser, vamos assim dizer, “meio porquinha”. Acredite se quiser, mas a vigilância sanitária encontrou mais 100 baratas vivas, além de urina de rato no local.

 

Os maiores consumidores de sorvete per capita, ou seja, por habitante, são Nova Zelândia, Estados Unidos, Canadá, Austrália e Suíça.

 

Os brasileiros consomem dez vezes menos sorvetes que a fria Noruega.

 

O maior produtor mundial são os Estados Unidos, seguidos da China, Canadá, Itália e Austrália.

 

Um dos picolés mais antigos do Brasil é o Eski-bon, da Nestlé. Ele foi criado em 1942, há praticamente 76 anos atrás.

 

Conta-se que os Chicabon, também da Nestlé, ganhou esse nome em homenagem às mulatas cariocas chamadas Francisca.

 

Nascida no Rio de Janeiro, a rede de sorveterias Mil Frutas oferece sorvetes produzidos com frutas tipicamente brasileiras. Lá, você pode encontrar sorvetes de frutas como pitanga, jabuticaba, seriguela, maracujá, sapoti, bacuri, umbu, açaí e cupuaçu.

 

Share: