Oriunda do idioma tupi, a palavra piranha significa “peixe com dentes”.

 

As piranhas são normalmente encontradas nos rios das regiões norte e central do Brasil, principalmente da Amazônia e Pantanal.

 

Piranhas são peixes de água doce da família Characidae. Os peixes dessa família são normalmente pequenos e representam cerca de 300 espécies.

 

Existem 36 espécies de piranhas, divididas em cinco gêneros. Com uma ou outra exceção, as piranhas vivem em bandos.

 

Os bandos costumam ser pequenos, mas aumentam nos períodos de seca, quando diversos bandos ficam presos em poças d´água.

 

As piranhas mais perigosas são justamente as que ficam presas em poças d´água, o que é um pouco frequente na região do Pantanal. Irritadas e famintas, elas podem atacar bois e matá-los em pouco tempo.

 

Piranhas são úteis para a limpeza do rio, pois devoram as carcaças de outros animais.

 

Os principais inimigos desse tipo de peixe são os jacarés e os seres humanos. Quando a população de jacarés de um determinado rio diminui, o número de piranhas cresce.

 

Um dos pratos à base de peixe mais apreciado pelos moradores do Pantanal e outras regiões do Centro-Sul do Brasil é o caldo de piranha.

 

O olfato desenvolvido permite às piranhas sentir o cheiro de uma gota de sangue em 200 litros de água.

 

Com dentes em formato triangular e mandíbula forte, a dentição das piranhas permite arrancar pedaços de pele das vítimas. Uma observação: é um tipo de dentição que não permite a mastigação.

 

Enquanto os tubarões substituem os dentes individualmente, as piranhas substituem em fileiras. Essas substituições ocorrem diversas vezes ao longo da vida do animal.

 

Espécies como as piranhas negras são capazes de morder com uma força máxima de 32 quilos, o que equivale a três vezes o seu próprio peso corporal.

 

Acredite se quiser, mas as piranhas são capazes de praticar canibalismo. Espécies como a piranha vermelha atacam outras piranhas quando há indisponibilidade de alimentos (detalhe: isso também depende da idade do animal).

 

Uma das estratégias da piranha-pintada é “se infiltrar” entre os seus futuros pratos. Ela nada ao lado das vítimas até elas acostumarem com a sua presença. Quando elas enfim se acostumam com aquele peixe “inofensivo”, ela ataca.

 

A piranha-catirina é uma espécie que prefere atacar sozinha. Sua estratégia consiste em se esconder antes de atacar. Quando a vítima se aproxima, ela ataca primeiro as nadadeiras e escamas.

 

Os ataques de piranha ocorrem com maior frequência durante os meses de verão, quando aumenta o número de banhistas nos rios.

 

Outra curiosidade sobre os ataques contra humanos: eles acontecem com frequência maior em águas represadas. Os cientistas perceberam que a construção de represas permite a reprodução desse animal, que prefere águas mais calmas. Com o aumento da população de piranhas, aumentam os ataques a seres humanos.

 

Fontes: UOL Educação, Wikipédia, Mega Curioso, Mundo Estranho.

Share: