Chamada de Bollywood, a indústria cinematográfica indiana é bastante popular na Ásia Central, Oriente médio e parte da Europa. Em certos lugares, concorre em pé de igualdade com o cinema norte-americano. Descubra algumas informações curiosas (e bastante interessante) a seu respeito nas linhas que se seguem.

 

O nome Bollywood surgiu da fusão de Bombaim com Hollywood. Atualmente chamada de Mumbai, a cidade de Bombaim é o principal centro da indústria cinematográfica indiana.

 

É no bairro de Andheri que estão concentrados os roteiristas de Bombaim/Mumbai. Sedes de produtoras e escritórios com serviços relacionados ao cinema estão também reunidos nesse subúrbio.

 

Entre as principais produtoras de filmes indianos estão a Yash Raj Films, a maior do país, a Balaji Telefilms e a Muktra Arts.

 

Na década de 1930, a Índia já fazia em torno de 200 filmes por ano. Foi somente nos anos 1990, no entanto, que o cinema local deu o grande salto para ser o que é hoje: a maior indústria cinematográfica do mundo.

 

Maior indústria de cinema do mundo? Sim. Enquanto os Estados Unidos produzem em torno de 650 filmes anualmente, a Índia produz 1.000; enquanto Hollywood atrai 3,6 bilhões de pessoas a cada 12 meses, Bollywood atrai 3,8 bilhões. No entanto…

 

Bollywood está longe de ser a mais lucrativa indústria cinematográfica. Sozinha, a gigante Hollywood abocanha 60% da renda do cinema mundial, sobrando pouco para o cinema produzido em outros países.

 

O cinema indiano arrecada em torno de US$ 2 bilhões por ano, o que equivale ao custo de 10 superproduções da indústria do cinema norte-americano. Só para se ter uma ideia, um único filme feito nos Estados Unidos pode custar US$ 300 milhões (obs: esses dados são de 2008).

 

O custo médio de um filme indiano é de US$ 500 mil, bem modesto em comparação com o custo de um filme europeu ou norte-americano. Em anos mais recentes, no entanto, Bollywood passou a produzir filmes mais caros, com valores acima de US$ 10 milhões. Lançado em 2006, o filme Devdas 2 (Servos de Deus 2) custou a nada modesta bagatela de US$ 20 milhões.

 

A maior parte dos filmes feitos por Bollywood é musical, com muitos cantos e danças. Eles podem misturar aventura, comédia e drama numa única produção. Triângulos amorosos são bastante comuns. Esse tipo de filme é chamado de masala, a famosa mistura de ervas da culinária indiana.

 

Uma das principais causas do crescimento do cinema produzido na Índia foi a estabilidade econômica. Isso permitiu que a emergente classe média local frequentasse mais o cinema e apreciasse os filmes de seu país.

 

As músicas são normalmente gravadas em estúdio por cantores profissionais. Para que saiam nos filmes, o atores e dançarinos coadjuvantes precisam fazer uma sincronia labial perfeita. Em Bollywood os atores não precisam cantar bem, mas devem ser excelentes dançarinos.

 

As danças tradicionais indianas dominam as coreografias (só recentemente os estilos ocidentais passaram a ser incorporados). As letras das músicas estão comumente relacionadas à cena do filme. O dançarinos mudam de roupa e trocam de cenário num piscar de olhos, de acordo com o verso da música (de uma estação de trem em Mumbai para uma paisagem que lembra os Alpes suíços).

 

Os melhores profissionais da indústria cinematográfica indiana são premiados numa cerimônia tão glamourosa quanto o Oscar norte-americano. Chamado de Filmfare Awards, o prêmio é entregue anualmente aos melhores roteiristas, atores, diretores etc. Detalhe: ele foi criado há mais de 50 anos.

 

Embora desconhecido no Brasil, o cinema indiano recebe boa acolhiada em dezenas de países. Ele atrai público em nações tão diferentes quanto Bangladesh e Reino Unido, Paquistão e Guiana, Afeganistão e África do Sul.

 

Consideradas “mais comportadas” do que as europeias e norte-americanas, as produções indianas são muito bem recebidas nos países muçulmanos. CDs com as trilhas sonoras dos filmes e cartazes com ídolos de Bollywood podem ser encontrados com facilidade em locais como Afeganistão, Paquistão, Bangladesh e oeste da China.

 

Remakes de filmes ocidentais e adaptações de escritores europeus e norte-americanos são comuns no cinema made in Bollywood. Um dos maiores sucessos de 2007, por exemplo, foi um filme chamado Heyy Babyy, um remake de Três Solteirões e um Bebê.

 

O cinema da Índia vende o equivalente a 3 bilhões de ingressos por ano. Os indianos assistem de 25 a 30 filmes ao ano (pudera, os ingressos nunca custam mais de 1 dólar).

 

A maior arrecadação feita por um filme indiano ocorreu em 2009, quando a produção Três Idiotas faturou US$ 80 milhões.

 

Mumbai, a meca do cinema feito na Índia, possui 12 milhões de habitantes. A sua região metropolitana é habitada por 20 milhões de pessoas, o que faz dela a quarta maior do mundo.

 

Mumbai fica no estado de Maharashtra, no costa ocidental indiana. É o maior estado em área territorial e o segundo mais populoso do país. Possui 112 milhões de habitantes (o equivale a mais da metade da população brasileira).

 

Maharashtra possui o maior número de cidades entre as 100 mais populosas da Índia. Enquanto o estado de Uttar Pradesh, o mais populoso entre as 28 unidades federativas indianas, possui a maior parte da população na zona rural, Maharashra possui na área urbana.

 

Fontes: Wikipédia, Super Interessante, Guia dos Curiosos, UOL, Terra.

Share: