Autor de livros como Tieta do Agreste, Capitães da Areia e Gabriela Cravo e Canela, Jorge Amado é um dos mais consagrados escritores brasileiros do século XX. Veja nessa lista alguns fatos inusitados e curiosos sobre a sua trajetória. Você sabia, por exemplo, que ele era formado em Direito? Sabia que é um dos escritores brasileiros mais traduzidos no exterior?

 

O nome verdadeiro do escritor baiano Jorge Amado (1912 – 2001) era Jorge Leal Amado de Faria.

 

Jorge nasceu na cidade de Itabuna, mas passou parte da infância em Ilhéus. Localizadas no sul da Bahia, ambas são conhecidas como importantes centros produtores de cacau.

 

Estudou na Faculdade Nacional de Direito do Rio de Janeiro, onde tornou-se bacharel. No entanto, nunca chegou a exercer a profissão de advogado.

 

O país do carnaval, o primeiro romance de Jorge Amado, foi publicado quando ele tinha apenas 19 anos de idade.

 

Perseguido por seu ativismo político, Amado foi obrigado a viver em vários países antes de voltar em definitivo para o Brasil. Membro do Partido Comunista Brasileiro, pelo qual chegou a se eleger deputado, ele teve os seus livros recolhidos e queimados em praça pública durante o governo de Getúlio Vargas. Entre os países que acolheram o escritor estão Argentina, Uruguai, Reino Unido e Tchecoslováquia.

 

Amado mantinha um grande respeito pelos culto afro-brasileiros. Aliás, foi ele o autor da lei que garante a liberdade religiosa no Brasil.

 

Jorge Amado era casado com a escritora Zélia Gattai, autora dos livros de memórias Anarquistas Graças a Deus, Um Chapéu para Viagem e Senhora Dona do Baile. Eles tiveram dois filhos.

 

Jorge Amado faleceu em agosto de 2001 e, atendendo a um pedido seu, foi cremado e suas cinzas enterradas no jardim de sua casa em Salvador.

 

Zélia Gattai sucedeu Jorge Amado na cadeira 23 da Academia Brasileira de Letras.

 

Dizem que para escrever Tieta do Agreste passou um ano trancado em sua casa. O mesmo teria ocorrido com o livro Tocaia Grande.

 

Jorge Amado conheceu dezenas de jornalistas e escritores durante as suas andanças pelo mundo. Era amigo de Carybé, Pierre Vergé e Dorival Caymmi. Conviveu com o cineasta Glauber Rocha. Conheceu Rubem Braga (com quem dividiu o mesmo teto por um curto período), Rachel de Queiroz (que o incentivou a entrar na militância política) e Pablo Neruda (que foi companheiro de viagens). Recebeu visitas como o poeta brasileiro Vinícius de Moraes, o cineasta polonês Roman Polanski e os filósofos franceses Jean-Paul Sartre e Simone de Beauvoir.

 

Os personagens mais famosos do escritor são, talvez, Gabriela, Tieta do Agreste, Teresa Batista, Dona Flor e Quincas Berro D´Água.

 

Jorge Amado é um dos escritores brasileiros mais traduzidos no exterior (mais de 80 países e 49 idiomas). Seus livros foram publicados em países como Estados Unidos, Canadá, Argentina, Uruguai, Chile, México, França, Reino Unido, Itália e Alemanha.

 

Em virtude da sua inclinação ideológica, Jorge Amado fez questão de conhecer diversos países comunistas. Além da União Soviética, passou pela Tchecoslováquia (atuais República Tcheca e Eslováquia), Polônia, Hungria, Romênia, Bulgária, Mongólia e China. Seus relatos de viagem foram registrados num livro chamado O Mundo da Paz.

 

Amado é também um dos escritores mais adaptados para o cinema e a televisão. Os livros Gabriela Cravo e Canela, Terras do Sem-Fim e Tieta do Agreste foram transformados em novelas. A Morte e a Morte de Quincas Berro D´Água, Tenda dos Milagres e Dona Flor e seus Dois Maridos viraram minisséries. Gabriela Cravo e Canela, Capitães da Areia, Tenda dos Milagres e Dona Flor e Seus Dois Maridos foram adaptados para o cinema.

 

As tramas dos livros Mar Morto e A Descoberta da América pelos Turcos foram reunidas numa única novela, chamada Porto dos Milagres.

 

A atriz Sônia Braga viveu a personagem Gabriela na TV e nos cinemas. Na primeira versão para a TV (lembrando que foram feitas duas adaptações na Rede Globo), atuou ao lado do ator brasileiro Armando Bogus. Na versão para o cinema, ao lado do astro italiano Marcelo Mastroiani.

 

Dirigido por Bruno Barreto, o filme Dona Flor e Seus Dois Maridos, de 1975, foi assistido por mais de 10 milhões de pessoas. As atuações na novela Gabriela e nos filmes Dona Flor e Seus Dois Maridos e A Dama do Lotação transformaram Sônia Braga num dos maiores mitos sexuais dos anos 70.

 

Como escritor brasileiro de maior vendagem no exterior, Jorge Amado só foi superado recentemente por Paulo Coelho.

 

Fontes: Wikipédia, Memória Globo, Fundação Casa de Jorge Amado, UOL Educação, IG.

 

Share: