Vampiro é uma criatura mitológica que se alimenta exclusivamente de sangue humano. Existem diversos tipos de vampiros, sendo o mais comum o “morto-vivo” que sai do túmulo à noite para caçar suas vítimas. Veja nas linhas a seguir as curiosidades que nós separamos sobre essas criaturas que povoam o cinema, os quadrinhos e o imaginário popular.

 

As histórias de vampiros são mais antigas do que imaginamos. Eles aparecem na mitologia do Oriente Médio, da Mesopotâmia e antigo Egito.

 

Os chineses chamavam os vampiros de kiang shi, os maias de camazotz, os árabes de alghul e os japoneses de kappa. Em todo o mundo, eles tem mais de 650 nomes diferentes.

 

A crença em vampiros na Europa medieval era tão comum que as pessoas costumavam abrir os túmulos só para averiguar se o corpo tinha se decomposto. Se, porventura, o defunto tivesse o rosto corado, era vampiro na certa! A exumação de corpos se tornou tão rotineira que o papa Bonifácio VIII promulgou uma lei contra o hábito.

 

O vampiro mais conhecido do mundo é, sem dúvida, Drácula, de Bram Stoker. Outros vampiros famosos: Lestat, Nosferatu e Edward Cullen, da série Crepúsculo, criação da norte-americana Stephenie Meyer.

 

Os vampiros também fazem parte do imaginário brasileiro. Eles estão presentes no humor, nos folhetins da TV e nas histórias em quadrinhos. Os mais conhecidos do público são Vlad (personagem central na novela Vamp), Bento Carneiro (vampiro encarnado por Chico Anysio) e Zé Vampir (uma criação de Maurício de Souza para os quadrinhos).

 

Bram Stoker não foi o único grande escritor a publicar algo sobre vampiros. Entre os gênios literários que escreveram sobre essas criaturas estão Alexandre Dumas, H. G. Wells, Edith Warthon, Lord Byron, Arthur Conan Doyle, Richard Burton e Samuel Taylor Coleridge.

 

O Conde Drácula foi inspirado em Vlad III, Príncipe da Valáquia (província ao sul da atual Roménia). Vlad é considerado um herói na Romênia e na República da Moldávia por causa da sua luta contra o antigo Império Otomano. Ele, no entanto, se tornou conhecido em outras partes do mundo pela crueldade contra seus prisioneiros e inimigos. Dizem que, em certa ocasião, mandou “empalar” (seu método de execução favorito) uma família inteira. Não é a toa que ainda hoje é chamado de Vlad, o Empalador.

 

Você sabia que o título de Vlad III era Dracul? A palavra dracul vem do latim draco, que significa “dragão”. Em romeno, dracul também significa “diabo”.

 

O romance Drácula foi lançado por Bram Stoker em 1897 e é um dos livros de suspense com maior número de adaptações para o cinema, ao lado de Frankenstein de Mary Shelley. A mais recente adaptação foi feita por Francis Ford Coppola em 1992, com Gary Oldman, Anthony Hopkins, Keanu Reeves e Winona Ryder no elenco.

 

Um dos maiores intérpretes de Drácula no cinema foi o ator austro-húngaro Bela Lugosi. Curioso é que, apesar da fama “vampiresca”, Lugosi interpretou o personagem em apenas duas produções: Drácula (1931) e Às Voltas com Fantasmas (1948).

 

Bela Lugosi conseguiu se eternizar como Conde Drácula, mas o maior intérprete do vampiro nos cinemas foi o britânico Christopher Lee. Foram “apenas” sete produções no papel do vampiro. O primeiro filme foi Vampiro da Noite, de 1958, e o último foi Drácula, Pai e Filho, de 1977. Interessante é que Lee é atualmente mais conhecido por outros personagens: o mago Saruman da saga O Senhor dos Anéis, e Conde Dokuu/Darth Tyranus da nova trilogia de Star Wars.

 

Mais sobre Drácula: ele enfrentou Batman em Chuva Rubra, de 1992, e Zorro numa história em quadrinhos publicada em 1993.

 

O brasileiro André Vianco escreveu diversos livros sobre vampiros. O seu primeiro sucesso foi Os Sete, de 2001.

 

Um dos mais prestigiados autores de livros sobre o assunto vampiro é, na verdade, uma mulher: Anne Rice. A norte-americana Rice escreveu diversos romances de vampiros, entre os quais O Vampiro Armand, A História do Ladrão de Corpos, A Rainha dos Condenados, O Vampiro Lestat e Entrevista com o Vampiro.

 

O Vampiro Lestat e Entrevista com o Vampiro, entre outros, fazem da série Crônicas Vampirescas, de Anne Rice. Lestat foi interpretado por Tom Cruise no filme Entrevista com o Vampiro, de Neil Jordan, lançado em 1994.

 

Por falar em Lestat, você sabia que existe uma peça chamado Lestat, O Musical, com músicas de Elton John e Bernie Taupin?

 

Foram criadas diversas séries de TV sobre vampiros, a mais famosa é Buffy, a Caça-Vampiros. Criada em 1997 pelo escritor e diretor Joss Whedon e exibida pelo canal WB Television Network, Buffy foi sucesso entre o final dos anos 90 e início dos 2000. A série durou sete temporadas e teve a atriz Sarah Michelle Gellar no papel principal.

 

Outra escritora de sucesso do “setor vampiresco” é L. J. Smith (Lisa Jane Smith), autora da série Diários do Vampiro. Os quatro volumes reúnem os livros Reunião Sombria, A Fúria, O Confronto e O Despertar. Diários do Vampiro foi transformada em série para a TV e exibida no Brasil por canais como o Warner Channel.

 

Nenhuma autora, porém, faz mais sucesso atualmente do que Stephenie Meyer, criadora da série Crepúsculo (Twilight, em inglês). A série é formada por quatro livros: Crepúsculo, Lua Nova, Eclipse e Amanhecer.

 

O sucesso de Crepúsculo é tamanho que existe uma enorme variedade de produtos com os personagens da série: camisetas, bolsas, mochilas, canecas, xícaras, marca-páginas etc, etc, etc.

 

O mais antigo longa-metragem sobre vampiros é Nosferatu – Uma Sinfonia de Horror, produzido em 1922.

 

Os vampiros também estiveram em moda na década de 80. Além de Os Meninos Perdidos, sobre uma gangue de vampiros, um dos filmes “vampirescos” de maior sucesso na década foi A Hora do Vampiro. A trama era sobre uma adolescente que descobre ter um vampiro como vizinho.

 

Não dá para falar de vampiros sem citar Blade – O Caçador de Vampiros, um personagem de quadrinhos criado pela norte-americana Marvel Comics. Blade foi adaptado para os cinemas com o ator Wesley Snipes no papel do personagem.

 

Um dos vampiros mais famosos das telenovelas brasileiras foi Vlad, interpretado pelo ator Ney Latorraca na novela Vamp, de 1991. Mas ele não foi o primeiro vampiro a aparecer em novelas. Em 1980, a extinta TV Tupi lançou uma produção chamada Drácula, Uma História de Amor, com Rubens de Falco no papel do vampiro. A novela, infelizmente, não resistiu à crise que levou ao fechamento da emissora.

Share: