Criado pela escritora britânica Mary Shelly, o personagem Frankenstein é um dos mais conhecidos da cultura pop. Virou tema de filmes, peças de teatro e histórias em quadrinhos em diversos países. Descubra nos tópicos a seguir as curiosidades sobre a sua origem, história e influência.

 

Em primeiro lugar, convém esclarecer que o monstro que muitos teimam em chamar de Frankenstein não se chamava Frankenstein. O Frankenstein verdadeiro é o cientista – um estudante de química, biologia, anatomia e filosofia natural – que deu vida ao monstro numa noite de tempestade. Seu nome completo é Victor Frankenstein.

 

Publicado em 1818, o livro Frankenstein ou Prometeu Moderno é um romance da escritora inglesa Mary Shelley. A autora tinha apenas 18 anos quando completou a obra.

 

Nascida Mary Wollstonecraft Godwin, ela adotou o sobrenome Shelley depois que se casou com o escritor e poeta Percy Shelley.

 

Embora tenha se tornado famosa por uma obra em particular, Mary Shelley escreveu romances, biografias e infantis (lembrando que também trabalhou como editora).

 

Surgida durante o Romantismo, movimento artístico/literário que tinha como uma das principais característica a crítica ao Iluminismo e cientificismo, Frankenstein é uma obra que questiona a moralidade e a responsabilidade da ciência.

 

Segundo uma das biógrafas de Shelley, o personagem Frankenstein teria inicialmente surgido num pesadelo da autora durante uma noite de tempestade. Ela estava passando férias na Suíça com o marido Percy Shelley e o amigo Lord Byron, quando cada um deles se comprometeu a escrever um conto de terror.

 

Para Radu Florescu, professor de história no Boston College, em Massachussets, Estados Unidos, Mary Shelley teria se inspirado em um alquimista alemão chamado Conrad Dippel para criar seu personagem Frankenstein. Consta que Dippel teria sido expulso da cidade de Estrasburgo por exumar corpos para experiências científicas.

 

O inglês Peter Haining apresentou outra versão. Para ele, Mary Shelley teria se inspirado em Andrew Crosse, um cientista amador que costumava fazer experiências metalúrgicas e eletromagnéticas.

 

Foram feitas diversas adaptações para o cinema sobre a história do monstro feito com pedaços de corpos e seu criador. A primeira foi em 1910, nos Estados Unidos. Uma das mais conhecidas foi realizada em 1931, estrelada pelo lendário ator Boris Karloff.

 

Karloff voltou a atuar em diversos filmes do gênero suspense, sendo que um dele foi A Noiva de Frankenstein e outro, O Filho de Frankenstein. Nesse último, atuou ao lado de ninguém menos que Bela Lugosi. Para quem não sabe, Lugosi é um dos mais famosos intérpretes do Conde Drácula nos cinemas.

 

Uma das últimas e mais fieis adaptações do clássico foi realizada em 2004 pelo ator e diretor Kenneth Branagh. Com o título Mary Shelley´s Frankenstein, ela tem Robert de Niro representando o monstro e o próprio Branagh no papel de Dr. Frankenstein.

 

Intitulada Victor Frankenstein, a última adaptação foi lançada em 2015, com Daniel Radcliffe (Harry Potter) no papel do protagonista. Nessa versão, a história de Dr. Frankenstein é contada pelo ponto de vista de seu assistente Igor.

 

O monstro criado por Shelley tornou-se quase onipresente na cultura pop dos séculos XX e XXI. A Marvel Comics chegou a lançar um gibi com o personagem. Com o título Frankestein Monster, ele chega a enfrentar até o sinistro Conde Drácula. Em outra história, seu maior rival é ninguém menos que o Homem-Aranha.

 

Pouca gente sabe, mas Frankestein também virou animê. O animê “Kyofu Densetsu Kaiki! Frankenstein” foi lançado no Japão em 1 981. Apesar de ser um desenho animado, é uma história violenta para adultos inspirada no original de Mary Shelley. Foi lançado nos Estados Unidos em 1984.

 

Um dos personagens mais famosos de Maurício de Sousa é Penadinho, um fantasminha que possui entre os seus amigos – múmias, esqueletos, vampiros, monstros etc – um monstrinho com as mesmas características do monstro de Shelley. Seu nome, por sinal, é Frank.

 

Fontes: Wikipédia, Guia dos Curiosos, Listas Literárias.

 

Share: