As palavras “mar” e “oceano” são normalmente utilizadas para descrever a mesma coisa, porém um mar não é exatamente um oceano. Mar é um corpo de água salgada parcial ou totalmente circundado por terra. Muitos mares são conectados com os oceanos por meio de canais.

 

O Pacífico é o maior oceano, cobrindo mais da metade da água marinha da Terra. Com 180 milhões de quilômetros quadrados, ele cobre quase um terço da superfície terrestre.

 

A profundidade média dos oceanos é 3.730 metros.

 

O oceano Pacífico tem 707,5 quilômetros de fossas, e 87,8% de sua área apresenta profundidades superiores a 3.000 metros; é o oceano com maior profundidade média (cerca de – 4.300 metros) e onde se localizam as maiores fossas submarinas.

 

A maior profundidade dos oceanos encontra-se na Fossa das Marianas (próximo às Filipinas) com 10.920 metros abaixo do nível do mar.

 

O oceano Índico está em segundo lugar no quesito profundidade. Em média, 60% de sua superfície correspondem a profundidades entre 4.000 e 6.000 metros.

 

A maior cadeia de montanhas do mundo fica no oceano Atlântico. Infelizmente não podemos vê-la por que ela é totalmente submersa. Essas montanhas são por muitos chamadas de Dorsal Atlântica.

 

O menor oceano é o Ártico, que é cerca de 13 vezes menor do que o Pacífico e contém somente 1% da água marinha da Terra.

 

Nem todos os mares são azuis. O Mar Negro, entre Europa e Ásia, parece negro devido ao alto teor de sulfeto de hidrogênio contido em sua lama. O Mar Vermelho tem esse nome devido a algas vermelhas que às vezes florescem em sua superfície.

 

Os oceanos e mares tem, em média, de 3,3% a 3,7% de sal (a quantidade varia de mar para mar). Os oceanos menos salgado são o Ártico e o Antártico. Já o mar mais salgado é o Mar Morto, com salinidade de 25%.

 

O comprimento das linhas costeiras do mundo é de cerca de 504.000 quilômetros, o suficiente para dar 12 voltas na linha do Equador.

 

Como o Império Romano circundava o Mar Mediterrâneo, os romanos se referiam a ele como “Mare Nostrum”.

 

Localizado no Cazaquistão, o Mar de Aral é um lago quase seco. Ele já foi o quarto maior lago do mundo, com 1.500 ilhas. Hoje, ele está reduzido a apenas 10% do seu volume original.

 

A maior parte do oxigênio da Terra é produzido não pelas árvores, mas pelas algas marinhas.

 

A poluição dos oceanos chegou a um ponto absurdo. Pesquisadores descobriram a existência de duas imensas ilhas de lixo no Oceano Pacífico. Juntas, elas têm o dobro do tamanho do território dos Estados Unidos.

 

Algumas pessoas acreditam que no passado existiu uma cidade no meio do oceano Atlântico (ou mar Mediterrâneo) denominada “Atlântida”. Ela teria sido supostamente destruída por um violento terremoto, desaparecendo sob as ondas sem deixar vestígios.

 

Os vulcões estão distribuídos por todo o planeta, mas a maioria se localiza no chamado Anel de Fogo do Pacífico. Essa é também uma das regiões mais sujeitas a atividades vulcânicas e terremotos no mundo. Japão e Indonésia, dois países com grande número de vulcões ficam às margens do Pacífico.

 

O volume de água de todos os oceanos, mares e rios da Terra é de 1,59 quatrilhões de litros.

 

É no oceano Pacífico que se encontra o ponto de terra mais afastado dos continentes, a Ilha de Páscoa, distante mais de 3.500 quilômetros da América do Sul.

 

A origem do nome dos oceanos:

Atlântico – vem de Atlas, filho de Netuno, o deus dos mares. Atlas sustentava a Terra sob suas costas.

Pacífico – em 1520, Fernão de Magalhães, navegador português, batizou o oceano com esse nome por considerá-lo mais calmo. A verdade, porém é que o Pacífico não tem nada de pacífico. Ele é mais perigoso do que o Atlântico.

Índico : recebeu o nome dos litorais que banha, da Índia e Indonésia.

Ártico : o nome vem da palavra grega “arctos” que significa “urso”. Já o oceano próximo ao polo sul denomina-se Antártico.

 

Share: