Ao percorrer as linhas a seguir você descobrirá algumas informações sobre a Idade Média e descobrirá curiosidades no mínimo inacreditáveis sobre esse período. Você sabia, por exemplo, que o cinto da castidade foi descoberto durante a Idade Média? E que ocorreu uma cruzada com a participação maciça de crianças?

 

O período conhecido como Idade Média teve início com a desintegração do Império Romano do Ocidente e terminou com o fim do Império Romano do Oriente/Queda de Constantinopla,

 

A Idade média é dividida em Alta Idade Média (do século V ao X) e Baixa Idade Média (do XI ao XV).

 

O modo de organização social e político da Idade Média é conhecido como feudalismo. A economia desse período era baseada no trabalho servil, agricultura de subsistência e escambo. O comércio era quase inexistente.

 

Muitos Estados modernos como Dinamarca, França e Portugal surgiram durante a Idade Média. Grande parte do território da Espanha era dominado pelos mouros muçulmanos.

 

As grandes propriedades rurais pertenciam aos senhores feudais. Aos servos, cabia apenas um lote para a agricultura de subsistência. Parte das terras dos senhores era doada à igreja.

 

Uma curiosidade interessante: feudo é, na verdade, o nome que se dava às trocas feitas na época.

 

As vilas em torno dos castelos dos senhores eram extremamente pobres, pequenas e povoadas por 60 pessoas em média.

 

Os servos só podiam utilizar as instalações do castelo do senhor de terras mediante o pagamento de uma taxa.

 

A floresta pertencia a todos e era praticamente uma área livre. O detalhe é que somente os senhores podiam caçar os grandes animais – aos servos restavam esquilos e coelhos.

 

Na mesa, as pessoas comiam normalmente com as mãos. Até o início da Idade Moderna, era comum os convidados de um jantar levarem a faca de casa para cortar o alimento.

 

Banhos? Os banhos estavam longe de ser diários (era um por ano, que tal?). As pessoas se banhavam em uma tina e o primeiro a se lavar era o chefe da casa.

 

Era mais seguro tomar vinho e cerveja do que água, fornecida por rios e riachos das imediações.

 

Mosteiros de várias ordens religiosas da Idade Média eram cercados de videiras. Os monges costumavam produzir e consumir o próprio vinho – talvez por que fosse mais seguro do que a água de péssima qualidade que se bebia na época. Aliás, durante a Idade Média, o vinho era usado como analgésico e anti-séptico.

 

Na Idade Média, os gatos pretos eram vistos como bruxas transformadas em animais. Não demorou para serem perseguidos pela Inquisição.

 

A Inquisição foi uma espécie de tribunal religioso criado na Idade Média (século XII) e dirigido pela Igreja Católica Apostólica Romana. Foi fundada pelo papa Gregório IX no ano de 1231 com o objetivo de reprimir e castigar tudo o que fosse considerado heresia pela Igreja.

 

Conta-se que a Inquisição foi criada inicialmente com o objetivo de combater os cátaros – ou albingenses –, uma seita cristã com forte influência no Sul da França e Norte da Itália.

 

As punições da Inquisição iam da privação de “benefícios espirituais” e prisões, do confisco de bens e morte na fogueira.

 

Na Idade Média, acreditava-se que o inferno possuía infraestrutura e o diabo, diversos assessores, entre eles Nergal (demônio que comandava a polícia), Astaroth (tesoureiro do inferno), Abramalech (responsável pelo guarda-roupa de Lúcifer) e Baalberith (secretário de Lúcifer).

 

Pazuzu é um antigo demônio assírio, filho do deus Hambi. Na Idade Média, era considerado o rei dos espíritos malignos. É Pazuzu quem atormenta a menina no filme O Exorcista.

 

A morte da fogueira foi utilizada principalmente no Ocidente durante a Idade Média e início da Moderna. Era o tipo de execução preferido pela Inquisição. Os executados mais conhecidos são a francesa Joana D’Arc e o italiano Giordano Bruno.

 

A maior parte das perseguições às bruxas não ocorreu, ao contrário do que se diz por aí, durante a Idade Média, mas no início da Idade Moderna ( do final do século XIV ao início do século XVIII).

 

Adorava-se quase tudo que tivesse relação com os santos da igreja e com Jesus. Qualquer objeto que tivesse relação com a história e o corpo de Jesus era reivindicado pelas comunidades religiosas. A manjedoura era propriedade da Igreja de Santa Maria Maior, em Roma. A Basílica de São João Latrão, também em Roma, dizia ser proprietária do umbigo sagrado e prepúcio divino. O chicote que supostamente teria açoitado Jesus estava na Basílica de São Bento, na cidade italiana de Subiaco. Isso sem contar os espinhos da coroa, que estavam espalhados por centenas de lugares diferentes.

 

A medicina era quase inexistente. Quem normalmente fazia cirurgias eram os barbeiros. Um dos procedimentos mais comuns do período era a sangria, tratamento que retirava o “excesso de sangue” (chamado de pletora) do organismo.

 

A peste negra, epidemia que assolou a Europa no final da Idade Média foi tão devastadora que 1/3 da população europeia do século XIV foi dizimada no curto período de quatro anos, entre 1347 e 1351.

 

Dos 140 monges de um convento em Montpellier, na França, apenas sete sobreviveram à peste. Aliás, o medo do contágio era tamanho que o papa suspendeu a extrema unção aos mortos.

 

Ninguém suspeitou que a peste negra tivesse relação com a morte de milhares de ratos. Acreditava-se em grande parte que ela era provocada pelo “ar ruim”, contra o qual receitava-se aspersão de água de rosas e queima de ervas.

 

Para variar, a epidemia acabou provocando xenofobia e aumentando o preconceito religioso. As cidades eram fechadas para os forasteiros e os judeus e muçulmanos acusados de propagarem a doença. Dezenas de comunidades judaicas foram atacadas e milhares de judeus afogados ou queimados.

 

Na Idade Média, as pessoas dormiam nuas. Quer dizer, nem tão nuas assim: elas usavam gorros para se protegerem do frio. Marido, mulher, filhos e mesmo as visitas compartilhavam o mesmo leito.

 

O sexo era considerado pecado. O namoro, então, era praticamente inexistente. As uniões eram arranjadas e o noivo e a noiva da nobreza se conheciam no dia do casamento – antes disso, só podiam se conhecer através de retratos pintados à óleo.

 

As meninas se casavam logo após a primeira menstruação e os meninos, com a idade aproximada de 18 anos. A família da noiva costumava pagar um dote a do noivo.

 

Ainda em relação ao sexo: a homossexualidade era proibida e passível de pena de morte. A prostituição também era condenada, apesar de… acredite, metade do lucro das prostitutas ia para o clero.

 

Mais uma sobre o sexo: o cinto da castidade foi inventado durante a Idade Média. Aliás…

 

Você sabia que durante a Idade Média foram criadas armaduras para evitar a manipulação do pênis?

 

Animais podia ser julgados por roubo ou assassinatos. Caso o cão ou qualquer outro bicho fosse condenado, poderia pegar a pena de morte.

 

Acredite se quiser, mas um dos locais mais animados do período era o cemitério. A população passeava, brincava e dançava entre os túmulos. Também era possível fazer compras (o açougueiro era apenas um dos comerciantes a dispor sua mercadoria sobre os jazigos) e participar de diversas cerimônias públicas. Os cemitérios serviam ainda para juízes comunicarem sentenças, padres darem o sacramento, pregadores itinerantes exortarem o povo ao arrependimento, prefeito informar suas medidas e, claro, de vez em quando alguém ser sepultado.

 

Uma das figuras mais emblemáticas do período medieval é a do cavaleiro. Os cavaleiros geralmente pertenciam à nobreza. Começavam a ser iniciados aos 7 anos e aos 10, começavam a servir aos senhores “feudais”. O reconhecimento como cavaleiro só acontecia aos 20 anos. O ritual da sagração ocorria num combate simulado durante uma festa. Durante as cruzadas, os cavaleiros se transformaram em defensores da fé contra infiéis e hereges.

 

As conhecidíssimas cruzadas ocorreram durante a Idade Média. Foram 9 cruzadas, a primeira em 1096 e a última, em 1272.

 

Por falar em cruzadas, você já ouviu falar na Cruzadas das Crianças? Pois reza a lenda que em 1212 cerca de 40 mil crianças foram encaminhadas a Jerusalém a fim de conquistar a cidade para os cristãos mas… a maioria morreu ou foi escravizada no caminho.

 

 

Share: