O incêndio da boate Kiss, na cidade gaúcha de Santa Maria, comoveu o Brasil inteiro. Centenas de jovens morreram naquela ocasião. Do incêndio do edifício Joelma à explosão do Airbus da TAM, relembre outras tragédias que abalaram o Brasil.

 

Incêndio do edifício Andraus

Quando: fevereiro de 1972

Onde: São Paulo, SP

Número de vítimas: 16 mortos e 300 feridos

Informações e curiosidades: a causa do incêndio foi uma sobrecarga no sistema elétrico. Começou na sobreloja da Casas Pirani, no segundo andar. As chamas logo alcançaram os andares superiores, provocando um incêndio de proporções gigantescas. As imagens das labaredas deixaram quem por lá passou impressionado. Para salvar as vítimas, os bombeiros chegaram a improvisar uma ponte entre o prédio vizinho e o Andraus. O incêndio do Andraus teve mais sobreviventes do que o do Joelma por que o prédio tinha heliporto. A maioria dos sobreviventes foi resgatada por lá. Pouquíssimas medidas foram tomadas para evitar tragédias como a do Andraus. As consequências não podiam ter sido mais nefastas: dois anos depois, ocorreria o incêndio do Joelma, com um número bem maior de vítimas fatais.

 

Massacre do Carandiru

Quando: outubro de 1992

Onde: São Paulo, SP

Número de vítimas: 111 mortos e 130 feridos.

Informações e curiosidades: tudo começou com uma rebelião no pavilhão 9 às 10h da manhã. A policia entrou no local às 16h30. Ao final, a rebelião terminou com mais de 100 mortos. Existe mais de uma versão para o caso. Na versão dos detentos, foram 200 perdas humanas. O que se sabe de fato é que muitos corpos exibiram sinais de fuzilamento (a perícia demonstrou que 70% dos tiros foram dirigidos à cabeça e ao tórax dos detentos). Somente oito detentos morreram com objetos cortantes. O caso teve grande repercussão, sendo manchete até em jornais do exterior. No total, 79 policiais militares foram julgados. No mais recente julgamento, 23 foram condenados a 156 anos de prisão. O massacre do Carandiru deu origem a um livro sobre a penitenciária, escrito pelo médico Drauzio Varella.

 

Explosão do Airbus da TAM

Quando: julho de 2007

Onde: São Paulo, SP

Número de vítimas: 199 mortos

Informações e curiosidades: chovia muito no aeroporto de Congonhas no momento em que o voo 3054, vindo de Porto Alegre, pousava em São Paulo. O avião escorregou na pista, indo parar do lado de fora do aeroporto. Curiosamente, ele se chocou contra um depósito de cargas da própria TAM antes de explodir. A explosão gerada pelo impacto mobilizou dezenas de bombeiros, que levaram horas para conter as chamas. Das 199 vítimas, 12 estavam em terra.

 

Incêndio do edifício Joelma

Quando: fevereiro de 1974

Onde: São Paulo, SP.

Número de vítimas: 189 mortos e 300 feridos

Informações e curiosidades: o fogo começou no 12º andar, devido a uma sobrecarga na rede elétrica. Objetos de decoração como cortinas e tapetes ajudaram a espalhar as chamas. Faltou equipamento e treinamento para a prevenção de incêndios, o que ajudou a complicar a situação. Sufocadas pela fumaça, os sobreviventes correram para a cobertura, onde não varia heliporto. Muitas pularam para a morte. O incêndio do Joelma abalou de tal forma o Brasil que gerou livros, filmes e documentários para a TV.

 

Incêndio da boate Kiss

Quando: janeiro de 2013

Onde: Santa Maria, RS

Número de vítimas: 242 mortos e 116 feridos

Informações e curiosidades: provocado por um sinalizador durante uma apresentação musical, o fogo logo se espalhou pela casa noturna. Em pânico, a multidão ali presente tentou fugir para a única saída, na entrada da boate. Alguns correram para o banheiro, na vã esperança de encontrar uma saída. A maioria das vítimas morreu asfixiada (havia uma pilha de corpos no banheiro). Tamanha foi a quantidade de mortos, que um caminhão frigoríficos foi acionado para transportar os corpos. O detalhe é que eram todos jovens. O incêndio da boate Kiss foi o terceiro maior desastre em casas noturnas no mundo.

 

Incêndio do Gran Circus Norte-Americano

Quando: dezembro de 1961

Onde: Niterói, RJ

Número de vítimas: 503 mortos (2/3 eram crianças)

Informações e curiosidades: provocado por um funcionário demitido dois dias antes, o incêndio consumiu o circo em minutos. A plateia estava cheia, principalmente de famílias ansiosas por acompanhar os espetáculos do dia. Em meio à correria, diversas crianças se soltaram de seus pais. Muitas pessoas foram pisoteadas. A comoção provocada pelo incêndio foi tão grande que mobilizou até o papa João 23, que doou o equivalente a 500 milhões de cruzeiros para as vítimas. A Argentina enviou medicamentos e os Estados Unidos, soro e plasma sanguíneo. O exército auxilia no atendimento às pessoas atingidas. O então presidente João Goulart fez questão de visitar os hospitais.

 

Incêndio da Vila Socó

Quando: fevereiro de 1984

Onde: Cubatão, SP

Número de vítimas: 93 mortos (número oficial) ou 508 (número não-oficial)

Informações e curiosidades: tudo começou com um vazamento de 700 mil litros de gasolina de uma tubulação da Petrobras numa vila formada em grande parte por palafitas chamada Vila Socó. Apesar de considerar o cheiro de combustível insuportável, a população permaneceu em suas casas. As autoridades também nada fizeram para evacuar a área. Até que ocorreu o incêndio, provocado provavelmente por uma faísca. Vila Socó foi tomada pelo fogo em questão de segundos. Os bombeiros nada puderam fazer para evitar o pior. No dia seguinte, restaram apenas cinzas e corpos por recolher. Localizada nas imediações, a escola João Ramalho serviu de necrotério. Mais de 24 pessoas foram indiciadas pela tragédia – inclusive o presidente da Petrobras na época –, mas nenhuma punida. Os sobreviventes receberam pequenas indenizações. O detalhe é que muitos alunos nunca mais retornaram para a escola (de 300 alunos, apenas 60 voltaram). Ninguém sabe o que aconteceu com eles. Supõe-se que tenham morrido no incêndio, e que o total de vítimas chegue a 508. Se esse número pudesse ser de alguma forma provado, o incêndio de Vila Socó se tornará o maior em número de vítima da história do Brasil.

 

Temporal na Serra Fluminense

Quando: janeiro de 2011

Onde: Serra Fluminense (Teresópolis, Petrópolis, Nova Friburgo e outras cidades)

Número de vítimas: 900 mortos e 400 desaparecidos

Informações e curiosidades: nem os meteorologistas, que tinham previsto fortes temporais para a região naquele dia, imaginaram que fosse chover tanto. Choveu em 24 horas o esperado para o mês inteiro. O excesso de umidade provocou deslizamentos nas encostas, arrasando tudo o que havia pelo caminho. Residências e prédios comerciais desapareceram sob toneladas de terra e rocha. A lama invadiu até o centro de Nova Friburgo. Igrejas, escolas e galpões abrigaram os 30 mil desalojados. Corpos chegaram a ser encontrados a quilômetros de suas residências. O detalhe é que um mês após a tragédia, os bombeiros ainda procuravam os desaparecidos. Dezenas de residência foram interditadas, e muitas imediatamente demolidas por risco de desabamento. Foi a maior tragédia meteorológica da história brasileira. As chuvas foram notícia até no exterior. A presidente Dilma Rousseff decretou luto de três dias pelos mortos na tragédia.

Share: