O Brasil é um país de dimensões continentais. Diante dessa constatação, podemos tomar as diferenças regionais como algo natural. Diferenças que são mais acentuadas no modo de falar, no sotaque, nas expressões regionais.

Existem inúmeras diferenças entre o português falado no Centro-Sul e o português do dia a dia do Nordeste e Norte. E o que torna as expressões regionais, por exemplo, tão diferentes são as influências estrangeiras somadas às palavras de origem indígenas e africanas e as gírias inventadas diariamente pelo povo.

Além da influência do português arcaico – lembrando que foi nessa região que se iniciou a colonização do Brasil –, o vocabulário nordestino é famoso pelas contrações (“vixe” é uma contração de “virgem”, que veio de “Virgem Maria!) e palavras criadas.

Foi com a intenção de apresentar alguns termos e expressões populares no nordeste que resolvemos criar um pequeno dicionário de nordestinês. Veja a seguir.

 

Abestado – tolo, otário, abobalhado

Abibolado – doido maluco

Agoniado – afobado, apressado, angustiado

Alpercata – sandália de couro

Amostrado – pessoa que quer ser bajulada ou quer mostrar que tem dinheiro

Aperriar – irritar, pertubar

Apoquentar – chatear, aborrecer

Aprumado – bem vestido, bem arrumado.

Arenga – briga

Arrochado – valentão

Avexar – o mesmo que vexar, aperriar, irritar, apressar

Avia! – Se apresse!

Baixa da égua – lugar distante

Banda – lado, pedaço

Batente – escada, escadaria, obstáculo construído no chão

Beiço – lábio

Bença – pedido de benção

Biscateira – prostituta

Bucho – barriga

Buchuda – mulher grávida

Bulir – mexer, incomodar, aborrecer

Buliçoso – aquele que mexe em tudo

Cabra – qualquer indivíduo, indivíduo destemido

Cabra da peste – sujeito valentão

Cabra-macho – sujeito provocador, destemido

Cabra safado – sujeito imoral, homem sem vergonha na cara

Cafundó – lugar distante

Cair de pau – acusar, “cair em cima”

Calango – lagarto pequeno comum no Nordeste

Calombo – inchaço, calo

Cão chupando manga – corajoso, destemido, feio

Cangote – nuca

Catinga – mal cheiro

Chabu – falha na explosão de fogos de artifício

Chinfrim – sem valor, pequeno demais

Confeito – bala (doce)

Cuia – cabaça

Cumé – como é que é?

Da bexiga – em grande quantidade

Danou-se – o mesmo que “me lasquei”, “me fodi”

Da peste – algo muito bom ou muito ruim

Dar gosto – algo que dá prazer

Dar parte de – delatar alguém

Dar uma prensa – pressionar alguém, dar uma bronca

De lascar o cano – algo extremamente bom

De primeiro – antigamente, no início

Derradeiro – último

Desembestado – totalmente sem rumo

Desgramado – desgraçado, filho da puta

Diacho – diabo, “droga!”

É de lascar – tá danado, é problemático

Embuchada – mulher grávida

Empatar – atrapalhar, dificultar

Encafifar – ficar desconfiado

Ensacar – colocar a camisa por dentro da calça

Envergar – curvar, vergar

Escapulir – fugir, escapar

Esgoelar – gritar

Espiar – ver, olhar, verificar

Estrupício – pessoa feia, pessoa que “não presta”

Falar nome – ofender, dizer ofensa

Frangote – adolescente

Furico – ânus

Gaitar – gargalhar

Galego – loiro

Garapa – água com açúcar

Gota-serena – coisa ruim

Graxa – molho de comida

Inhaca – mal cheiro do sovaco

Istripulia – travessura

Jabá – carne-seca, charque

Jerimum – abóbora

Lá no calcanhar do Juda – distante, muito longe

Lascado – em má situação, sujeito que entrou numa fria

Lasqueira – encrenca, confusão

Liso – sem dinheiro

Macaxeira – mandioca

Mainha – mãe

Mangar – caçoar, rir de uma pessoa

Matraca – boca, pessoa que fala muito

Matutar – pensar, refletir

Mindim – menor dedo da mão

Molambo – pano velho/sujo, pessoa suja/desajeitada

Moléstia – coisa ruim

Mulher-macho – lésbica

Mundiça – plebe, pessoa rude

Na marra – contra a vontade

Não tem nada não – não tem problema

Num sabe? – Você não sabe?

Obrar – evacuar, defecar

Onde o vento faz a curva – lugar distante, bem longe

Oxente – expressão de assombro, de surpresa

Pai d’égua – porreta, legal, bacana

Passar raiva – ficar com raiva, irritar-se

Peitar – desafiar

Pelar – tirar a pele, descascar

Pelejar – lutar, tentar exaustivamente

Pinicar – provocar coceira

Pipôco – estouro

Pisa – surra

Por hora – por enquanto

Puxar da perna – mancar

Quartos – quadris

Que só a peste – em grande quantidade

Quenga – prostituta

Quentura – calor

Rala-bucho – dançar forró

Rapariga – prostituta, amante

Remela – secreção ocular

Requebrar – mexer os quadris, rebolar

Sarapatel – prato preparado com miúdos

Se acabar – esgotar-se, morrer

Se fazer – fingir

Se lascar – dar-se mal, se ferrar

Seboso – porco, sujo, imundo

Sem futuro – que não vai dar certo, despreparado

Supetão – de repente

Tá com a moléstia – está irritado

Tá com a peste – está agitado, irritado

Tamborete – banco de madeira pequeno

Terreiro – quintal

Tirar o couro – explorar ou maltratar alguém

Tomar prumo – se corrigir

Topar – encontrar alguém, dar de cara com alguém

Tratante – pessoa que não cumpre os seus compromissos

Venta – nariz

Vexado – apressado

Vixe! – Virgem Maria!

Xoxoca – o mesmo que vagina, boceta

Zaroio – estrábico, vesgo

 

Fontes: Blog Cultura Nordestina, Blog Eu Sou Nordestino, Terra, Mundo Educação, Curiozzo.

 

130

Share: