Streaming, ou fluxo de mídia, é uma forma de distribuição de dados, normalmente de multimídia em uma rede através de pacote. É frequentemente utilizada para distribuir conteúdo de multimídia através da internet. Exemplos de empresas que oferecem esse tipo de serviço: Netflix, GloboPlay e Spotify. (fonte: Wikipédia).

 

O serviço de streaming Netflix foi fundado em 1997 por Reed Hasting e Marc Randolph, na Califórnia. Inicialmente, ele oferecia aluguel de filmes pelo correio através de uma taxa fixa paga pelos clientes.

 

A sede da empresa fica na cidade de Los Gatos, no Vale do Silício, estado norte-americano da Califórnia.

 

O Netflix possui 93,5 milhões de assinantes em 130 países (dados de 2016).

 

A primeira série brasileira produzida pelo Netflix foi 3%, que estreou em 2017.

 

O Netflix faturou US$ 8,3 bilhões em 2016, com lucro líquido de US$ 186,7 milhões.

 

A empresa não divulga o número de assinantes por país, mas pesquisas apontam em torno de 6 milhões no Brasil.

 

Cerca de 60% dos assinantes do Netflix tem o hábito de assistir dois ou mais episódios de um seriado numa única ocasião. Esse tipo de mania recebeu em inglês o nome de “binge watching”.

 

O horário em que mais gente tenta acessar o Netflix é entre 19h e 21h. Em virtude do forte movimento, o serviço acaba ficando mais instável e a qualidade da imagem piora. Aliás…

 

Um usuário de streaming costuma ficar cerca de 90 minutos por dia assistindo suas séries e/ou filmes preferidos.

 

Sua primeira série original de sucesso foi House os Cards, de 2013, com Kevin Spacey no papel do protagonista.

 

Até 2015, Breaking Bad foi o seriado mais visto no serviço de streaming.

 

Um dos macetes do Netflix para descobrir se uma série ou filme tem potencial para fazer sucesso em streaming é pesquisando a taxa de downloads ilegais em redes como o Torrent.

 

O conteúdo é separado em centenas de categorias, algumas totalmente inusitadas, como “filmes com surtos épicos de Nicolas Cage” e “Bigodes legais”. Detalhe: são mais de 76 mil categorias diferentes.

 

E que tal trabalhar como “tagger” do Netflix? A empresa chegou a abrir recentemente uma vaga no Brasil. O “tagger” é o profissional que assiste séries para classificá-las nas palavras-chave disponibilizada pela empresa.

 

Fontes: Wikipédia, Época Negócios, Exame, Meio & Mensagem.

 

Share: