Se tivéssemos que fazer uma lista completa de todas as gírias utilizadas no meio carcerário, teríamos pelo menos 400 palavras. Mas, com a ajuda de sites e blogs sobre o assunto, encontramos algumas das mais expressivas para inserir aqui. O detalhe é que muitas dessas gírias são usadas fora dos presídios (“afanar”, por exemplo, tem o mesmo significado de “roubar). Outro detalhe é que parte dessas gírias acabam contaminando o ambiente em volta dos presídios, como foi demonstrado em algumas pesquisas. Cabe também lembrar que existe uma cultura própria dentro das penitenciárias, que envolve desde o linguajar até as relações entre carcereiros, presidiários, esposas de detentos e outras pessoas que convivem com esse universo. Confira aqui 200 gírias mais usadas entre detentos.

 

A boa – maconha de boa qualidade

Abraçar a bronca – assumir a culpa de outra pessoas

Abrir – fugir, fazer o sujeito falar com o uso de tortura

Abrir no pé – fugir correndo

Acerto – acordo entre bandidos

Achanã – cigarro, careta

Adeva – advogado

Afanador – ladrão

Afano de rodadora – roubo de moto

Agendar – transar

Ageum – conversa

Águia – agente penitenciário

Alibã – polícia

Aliviar – sair fora

Âncora – gancho de ferro

Androide – pessoa guiada, robô

Anojar – incomodar, elemento pegajoso

Antena – o preso está espreitando

Anzol – seringa hipodérmica

Apagar – matar

Apertar – atirar com arma contra alguém

Arpão – também significa seringa hipodérmica

Arrebite – bala

Arrego – favorecimento mediante propina, ceder a um cardo

Arrepiar – impor, medo, terror, surrar

Assou – foi identificado, flagrado

Atracar – abordar, invadir

Azuelar – azular, roubar o companheiro

Bagulho – mercadorias, objetos, pertences

Bailou – quando entrou preso

Baixar o preso – matar o preso

Barão – mil reais

Barraco – cela

Batalhar – prostituir, trabalhar duro

Bicuda – faca

Biru – cigarro, achanã, careta

Bixo D’Água – serra

Blindão (sujão) – o agente honesto (sem parada)

Bobo – relógio

Boca larga – revólver, pistola, arma de fogo

Boca sujeira – local muito arriscado, com frequente presença policial

Bodiando – dormindo

Boi – lugar onde fazem as necessidades fisiológicas

Bonde – furgão com detento sendo escoltado

Bondão – muitos agentes ou policiais

Bola cheia – sujeito que está com tudo, é o cara

Bolo – confusão, encrenca, problema

Bolou – elaborar um plano

Briosa – quentinha, marmita

Brilho – cocaína

Bronca – crime cometido, problema de ordem legal ou disciplinar

Brux – paranga de maconha

Buldogue – revólver de cano curto

Buque – isolamento, castigo

Cabrito – carro ou arma produto de roubo

Cachorrinho – informante policial

Cafofo – lugar onde esconde drogas, celulares e armas

Cagüetar – denunciar

Caixa de tosse – peito

Caído – estar por baixo, má fase

Cair no mundo – ir embora

Camelar – andar a pé

Cana – detenção

Cano – arma de fogo, revólver, pistola

Capim seco – maconha

Carango – automóvel, carreta, carro

Carreirinha – filete de cocaína para cheirar

Cascata – conversa fiada

Caveirista – médico legista

CFA – cigarro de filtro amarelo (maconha)

CFB – cigarro de filtro branco (cocaína)

Chamar para a pedra – colocar no castigo

Charutinho – quantidade significativa de dinheiro

Chupar bala – estar distraído

Chupa lelé – trouxa, bobão

Cidade do pé junto – cemitério

Coletivo – presos da unidade prisional (massa carcerária)

Comarca – cama

Comédia – preso que comete crime sem expressão, crime de pouco valor

Comissão – grupo de presos que representa o coletivo

Concha – tapa na orelha

Contar – conferir a cadeia

Coruja – guarda noturno

Corujando – observando

Cupicha – companheiro

Da boca – da mesma localidade ou da boca de fumo

Dança de rato – briga entre detentos

Dá roupa – estar acobertando um malandro

Dar – indicar o paradeiro, caguetar

Dar as caras – comparecer no fórum

Dar bandeira – marcar bobeira

Dedar – entregar

Delegacia – conselho disciplinar

Desaparecer na curva – fugir correndo

Desenrolar – resolver da melhor maneira

Desfalecimento – morto (querem falar falecimento)

Dicar – passar informações

Dormir de touca – marcar bobeira

Dureza – dificuldade financeira

Empacotar – matar

Empilhado – vários crimes, muita bronca

Entortar – fumar, drogar

Está em surto – preso que apresenta distúrbios mentais

Esticar – ir embora

Estradão – local de desova de cadáver

É um sono – pessoa que cria dificuldades, atrapalha os demais

Fandango – briga

Farinha – cocaína

Fazer nome – ter fama no mundo do crime

Fazer uma limpeza ou faxina – ordem de morte ou transferência de preso

Firula – fazer hora

Fumacê – maconheiro

Funcionário – como os presos chamam os agentes penitenciários

Furada – facada

Fuzuê – bagunça

Gabirú – ladrão

Geral – revistar as celas

Garoto – homossexual

Gelada – estar sendo processado, fria

Gororoba – comida

Gran bell – telefone

Grude – comida

Holofotes – óculos

Homem da capa preta – juiz

Intrujão – receptador

Isolamento – cela onde o preso cumpre o castigo, por cometer alguma indisciplina

Já é – neste momento, agora

Jeremias – ingênuo

Jumbo – sacola com comida

Juntar os pés – morrer

Kiling (quiling) – preso que rouba dentro da cadeia

Lazeira – arrogante, metido

Ligação – preso que faz compra na cantina para o coletivo

Ligado – atento

Lili – liberdade

Linha de frente – valentão

Loló – cola de sapateiro

Lunfa – parceiro, ladrão

Macaco preto – telefone

Majú – delegado de polícia

Malado – bandido vazio e sem confiança

Mandada de magrela – roubo de bicicleta

Manjar – ficar de olho, entender

Manha – esperteza

Marcação – vacilo na hora da ação

Maria Louca – bebida alcoólica feita na cadeia

Matraca – metralhadora

Meter os peitos – trabalhar

Mico – ladrão menor de idade

Mister M – alcagüete, delator

Mocó – esconderijo

Morcegar – vadiar

Muquifo – lugar ruim, desprezível

Museu – pessoa velha

Muxiba – mulher velha

Oitão – revólver calibre 38

Olheiro – que vigia a cela para ver quando vem os agentes

Ossada – cadáver

Pacas – pra valer

Pagar um sapo – desmentir uma declaração

Papo reto – falar a verdade

Parada – ato ilícito dentro da cadeia

Parango – cigarro de maconha

Pé de chumbo – policial incorruptível

Pedra – crack

Pestana – cochilo

Pifar – morrer

Pinta – elemento perigoso

Pintou sujeira – se meteu em encrenca, deu confusão

Pipa – bilhete ou mensagem

Pirar – ficar louco

Pó – cocaína

Presepada – gaiatice

Presidente – o preso de maior patente dentro da cadeia

Puxar cana – cumprir pena

Puxar corda – cumprir pena elevada

Rabo de foguete – perigo

Racha – partilha de roubo

Rango – comida

Ratazana – mulher ladra

Reino do vai não volta – céu

Rolê – dar uma volta

Rondante – guarda noturno

Sabonete – repreensão severa

Saco de tripa – abdômen

Sebo nas canelas – fugir correndo

Simpatia – gente boa

Sujeira – coisa ruim, enrascada

Telefone – tapa simultâneo nas duas orelhas

Tenda – loja de receptação

Teresa – terra feita com retalhos de cama

Tatu – preso que cava túnel

Tia – parente do preso

Tira – policial

Tisiu – preto

Trabuco – arma de fogo

Transado – coisa boa, bonita

Traveco – travesti

Trombada – pequeno assalto derrubando a vítima no chão

Turma da pesada – ladrões de bancos

Xerife – preso responsável pela cela

X9 – delator

 

Fontes: Wikipédia, Portal das Gírias, Dicionários Vários, R7, Último Segundo.

 

Share: