Qual o osso mais forte do corpo humano? E qual o menor osso do nosso esqueleto? Por que o nariz e as orelhas nunca param de crescer? Clique aqui, descubra as respostas e veja algumas curiosidades sobre os ossos e cartilagens humanos. Muitas são interessantes.

 

Existem três tipos de esqueletos nos seres vivos: hidroesqueletos, exoesqueleto e endoesqueleto. Os endoesquelestos são esqueletos internos, como o esqueleto humano.

 

O esqueleto representa cerca de 14% do peso do corpo.

 

Um ser humano possui em torno de 206 ossos. Num recém-nascido, eles são 300. A maioria dos ossos está nos pés e nas mãos.

 

Existem pessoas com mais de 206 ossos. É o caso daquelas que tem um par de costelas ou um dedo a mais. Quem anda muito a cavalo adquire novos ossos na região da bacia.

 

Os ossos podem ser longos (exemplos: fêmur e tibia), curtos (carpo e tarso) e chatos (ossos do crânio e dos quadris).

 

O crânio possui 22 ossos, sendo que oito deles existem para proteger o cérebro.

 

O osso mais forte do corpo humano é o femur. Ele é também o maior, medindo 50 centímetros num adulto com 1,80 metro de altura.

 

Com cerca de 2,6 milímetros, o estribo – um dos três ossinhos do ouvido – é o menor osso do corpo humano.

 

Com exceção dos humanos e uma ou outra espécie de macaco, a maioria dos primatas possui um osso no pênis chamado báculo.

 

O único osso que não está articulado a nenhum outro osso é o hióide. Ele está abaixo do maxilar inferior e é suportado apenas pelos músculos.

 

Os ossos são feito de duas classes de tecidos: o esponjoso e o compacto. O tecido ósseo esponjoso apresenta cavidades semelhantes às das esponjas e encontra-se na cabeça dos ossos longos. O tecido compacto forma a parte tubular dos ossos. A medula vermelha, responsável por fabricar glóbulos sanguíneos, se encontra na cavidade esponjosa.

 

Os ossos possuem as seguintes camadas: periósteo, tecido ósseo compacto, tecido ósseo esponjoso, medula óssea vermelha e medula óssea amarela.

 

As extremidades dos ossos são protegidas pela cartilagem. Os locais onde eles se unem chamam-se articulações.

 

Os ossos são em sua maior parte (70%) constituídos de minerais, principalmente cálcio e fósforo. O resto (cerca de 30%) é feito de substâncias orgânicas de valor proteíco.

 

Ossos longos como o fêmur, a tibia e o úmero (os dois primeiros são ossos das pernas; o terceiro são dos braços) são finos no meio e grossos nas extremidades.

 

Os ossos dos embriões são mucosos, isto é, não passam de uma gelatina bastante espessa. Os dos recém-nascidos são cartilaginosos, parecem mais uma cartilagem. Conforme a pessoa vai crescendo, eles vão se tornando mais duros, chegando à terceira e última fase, a ossificação.

 

A estrutura óssea permanece forte e vigorosa até os 30, 35 anos de idade. A partir daí, ela começa a envelhecer, perdendo de 3 a 5 milímtros de densidade óssea ao ano.

 

Os ossos das mulheres e dos homens são diferentes em vários aspectos. Os homens possuem tórax maior, ombros mais largos e pelve mais estreita. O comprimento das pernas representa neles 56% da altura, enquanto nelas não passa de 50%.

 

O nariz e as orelhas não param nunca de crescer. Isso porque ambos são constituídos de cartilagens, não de ossos. É por isso que pessoas mais velhas possuem narizes e orelhas maiores.

 

 

FONTES: O Corpo Humano, Ed. Globo/Planeta; Nova Enciclopédia da Ciência, Kingfischer; Super Interessante; Metamorfose Digital; IG.

 

Share: