Platão é considerado um dos pensadores mais influentes da história, mas você sabia que seu nome verdadeiro era Arístocles? Veja nas linhas a seguir alguns fatos curiosos sobre a vida e as ideias desse grande filósofo.

 

As datas do nascimento e morte de Platão são imprecisas. Acredita-se que tenha nascido entre 428-427 e morrido por volta de 348-347 antes de Cristo.

 

Platão nasceu em Atenas durante o chamado “Século de Péricles”, a idade de ouro da cidade. Foi durante esse período que o político e orador Péricles transformou a cidade e incentivou as artes, a filosofia e história.

 

Platão não é um nome, mas um apelido. Seu verdadeiro nome era Arístocles. Em tempo: “platão” significa “amplo”. Acredita-se que ele tenha sido assim chamado por causa dos seus ombros largos e figura robusta.

 

Foi discípulo de Sócrates, por quem nutria profunda admiração. Platão ficou inconformado com a morte súbita e injusta de Sócrates que, com o decorrer do tempo, transformou-se em personagem de muitos dos seus livros. Sócrates é, por exemplo, figura central em A República, um dos mais conhecidos escritos de Platão.

 

Desiludido com a morte de Sócrates e com a democracia ateniense – e temendo pela própria segurança, convém ressaltar –, Platão abandona Atenas e passa pelo menos 12 anos viajando. Visita Mégara (uma cidade-Estado da região da Ática), Sicília e Egito.

 

Platão foi o fundador da Academia, a primeira instituição de ensino superior do mundo ocidental. O nome teria sido emprestado de Akademos, um lendário herói da região da Ática.

 

Acredite se quiser, mas a Academia de Platão sobreviveu durante nove séculos. Ela só foi extinta por Justiniano no sexto século depois de Cristo.

 

Platão e seu discípulos Aristóteles – que foi tutor do macedônio Alexandre, o Grande – conviveram durante 20 anos.

 

Ele costumava escrever sobre os mais diversos temas: política, arte, religião, justiça, medicina, sexualidade, natureza humana, sabedoria, virtude…

 

Entre os trabalhos de Platão disponíveis atualmente nas livrarias estão Fédon, Apologia de Sócrates, Górgias, Timeu, O Sofista e O Banquete.

 

Uma das mais importantes ideias de Platão é A Teoria das Formas. De acordo com ela, as formas abstratas – ou seja, que não possuem existência física – constituem o mais elevado e fundamental tipo de realidade. Além de imutáveis, seriam as únicas a transmitir o verdadeiro conhecimento.

 

Outro conceito bastante conhecido do filósofo é a Alegoria da Caverna (que, por sinal, é uma das passagens mais clássicas da história da filosofia). Ele fala de prisioneiros acorrentados numa caverna e que passa todo o tempo olhando para uma parede de fundo sobre a qual são projetadas sombras geradas por estátuas na frente de uma fogueira. Como nunca saíram para fora, eles tomam essas sombras como a única realidade existente. Até que um deles consegue sair da caverna e descobrir o mundo externo. Através de sua jornada, ele descobre a verdadeira realidade e dar-se conta que viveu o tempo todo dando nome a sombras. Sendo assim, volta para a caverna e conta para seus amigos o que viu. Eles o chamam de louco e o ameaçam de morte caso não pare de falar dessas ideias que acreditam ser absurdas. Com isso, Platão mostra como a nossa visão da realidade é distorcida pelos conceitos, pré-conceitos e pontos de vista da nossa cultura. Só começamos a conhecer a realidade quando nos livramos das influências culturais e sociais, ou seja, quando saímos da caverna.

 

Fontes: Wikipédia, Mundo Educação, InfoEscola, Sua Pesquisa.

 

Share: