Você sabia que os tatus podem transmitir hanseníase para os seres humanos? Sabia também que eles passam a maior parte do dia dormindo? Veja algumas curiosidades interessantes sobre os tatus, esses animais tão comuns nas florestas e campos brasileiros.

 

Tatus são mamíferos placentários da superordem Xenarthra e ordem Cingulata (ou seja, dos desdentados). Entre os parentes xenarthras podemos citar o tamanduá e a preguiça.

 

Os tatus vivem em matas ciliares (ou seja, próximas aos rios), florestas, caatinga (vegetação seca) e cerrado.

 

Eles são chamados de armadilhos em Portugal e armadillos nos países de língua espanhola.

 

Tatus passam a maior parte do dia dormindo. Eles chegam a dormir até 16 horas diárias.

 

Os tatus são animais basicamente noturnos. Eles dormem durante o dia e saem à noite para se alimentar.

 

Embora sejam conhecidos por se alimentar de cupins e formigas, os tatus possuem uma dieta bastante variada. Eles comem raízes, verduras e pequenos animais.

 

Tatus já podem procriar com um ano de idade. A gestação dura de três a quatro meses, quando nascem de dois a quatro filhotes.

 

O maior tatu que existe é o tatu-canastra, que pode medir 1 metro de comprimento e pesar 60 quilos. O menor é o tatu-bola, com aproximadamente 50 centímetros e 6 quilos.

 

O tatu-bola não é o único animal que se enrola para escapar de predadores. Um dos animais que usam essa estratégia é o pangolim, um mamífero cheio de escamas encontrada na África e na Ásia. Quando se sente ameaçado, o pangolim logo vira uma bolota. Como suas escamas são duras como placas, nenhum predador tem paciência para matá-lo.

 

O tatu-bola não escava buracos, aproveita as tocas de outros animais para se esconder.

 

O mascote da Copa do Mundo de 2014 no Brasil foi um tatu-bola batizado de Fuleco.

 

Você sabia que existem criadouros de tatus em diversos estados brasileiros (detalhe: é preciso ter autorização do Ibama para criar esses animais)? Os animais são criados para o aproveitamento da pele em peças de artesanato e sobretudo para o consumo da carne. O abate é feito entre os 12 e 18 meses de idade, quando o animal está com mais ou menos 3 quilos.

 

Um dos mais curiosos animais do grupo dos edentados foi o gliptodonte, um parente extinto do tatu. Natural do continente americano, onde todos os fósseis foram encontrados, o gliptodonte tinha cerca de 3 metros de comprimento e pesava 1,4 tonelada. Digamos que era um tatu tão grande quanto um Fusca.

 

Tocas de gliptodontes são ainda hoje encontradas em diversos locais da América do Sul. Elas são usadas como abrigos por outros animais e, eventualmente, por seres humanos.

 

Você sabia que tatus podem transmitir hanseníase para os humanos? A hanseníase é uma doença popularmente conhecida como lepra. Detalhe: eles são utilizados como animais de laboratório nas pesquisas contra a doença.

 

Fontes: Wikipédia, Globo Rural, Mundo Educação.

Share: