O grupo ABBA incendiou as pistas de dança dos anos 1970, além de que levou milhares de pessoas para os seus shows. Não é sem motivos que ainda é querido nos dias atuais. Mas o que você sabe sobre a trajetória desses suecos? Descubra nas linhas abaixo algumas curiosidades sobre o ABBA.

 

O nome do grupo sueco ABBA é formado pelas iniciais de seus integrantes: Anni-Frid Lyngstad, Björn Ulvaes, Benny Anderson e Agnetha Fältskog.

 

Os membros do ABBA formavam dois casais. Benny era casado com Anni-Frid e Björn com Agnetha. Ambos os casais se separavam no início dos anos 80.

 

Antes de integrar o ABBA, o músico Benny Anderson fazia parte de uma banda chamada Hep Stars. Björn Ulvaes era integrante de um grupo denominado Skiflle. Agnetha Fältskog e Anni-Frid Lyngstad mantinham carreira solo.

 

Aliás, você sabia que antes de integrar o ABBA Agnetha representou Maria Madalena na versão sueca do musical Jesus Christ Superstar?

 

O primeiro compacto do grupo a fazer sucesso – com o detalhe de que chamava-se Ring Ring – foi lançado como sendo do quarteto Björn, Benny, Agnetha e Frida. O grupo só foi batizado de ABBA três anos depois de sua formação.

 

Na época da fundação do grupo, existia na Suécia uma marca de produtos alimentícios chamada ABBA. Na verdade, ela ainda existe. A Abba Seafood produz produtos como arenques e enchovas enlatados, molhos e vários tipos de produtos. A marca é bastante conhecida na Escandinávia e em países como Rússia.

 

A primeira canção do ABBA a alcançar o primeiro lugar das paradas inglesas foi Waterloo, cantada pelo grupo no Festival Eurovisão da Canção de 1974.

 

Por falar em Waterloo, você sabia que ela foi escolhida em 2005 como a melhor canção apresentada no Festival Eurovisão em todos os tempos?

 

A canção Fernando é uma versão em inglês de uma música cantada em sueco por Frida durante a carreira solo.

 

A popularidade do ABBA na Inglaterra foi tamanha que 2,5 milhões de pessoas procuraram ingressos para um show no Royal Albert Hall, mas… só haviam 11 mil disponíveis.

 

O ABBA lançou até hoje mais de 12 compilações das suas melhores músicas (e olhe que estamos falando das compilações oficiais). A primeira surgiu em 1975, ainda no início do quarteto.

 

Dancing Queen foi a única música a atingir o primeiro lugar nos Estados Unidos.

 

A música The Winner Takes It All foi inspirada na separação de Björn e Frida.

 

O ABBA pode ter terminado, mas os músicos Björn Ulvaes e Benny Anderson, já sessentões, continuaram compondo juntos. Frida e Agnetha voltaram para suas carreiras solos.

 

Em 2000, os ex-ABBA receberam uma proposta de 1 bilhão de dólares para voltarem a tocar juntos. Infelizmente, ela foi sumariamente recusada.

 

Existe uma banda cover do ABBA chamada ABBA Born Again. Formada por britânicos, ela foi convidada a se apresentar na Rússia para, segundo os boatos, ninguém menos que os ex-premiê Vladimir Putin. Até então ninguém sabia, mas o ex-comunista Putin é fã de carteirinha do grupo.

 

Outro grupo cover do ABBA, o ABBA The Show se apresentou recentemente em São Paulo e outras cidades brasileiras. Não é preciso dizer que foi um sucesso, especialmente a apresentação paulistana. Um detalhe: seus principais integrantes são sósias do ABBA original. Outro detalhe interessante: alguns músicos do grupo tocaram com o verdadeiro ABBA.

 

Diversos músicos gravaram covers do ABBA. Um deles foi o pianista Richard Clayderman, que gravou um álbum intitulado Clayderman Plays ABBA.

 

Mamma mia! virou peça de teatro e, mais tarde, um musical com Meryl Streep e Pierce Brosnan no elenco.

 

Um dos maiores sucessos musicais da Suécia do final dos anos 90 foi o ABBA Teens, um grupo formado por adolescente que cantavam as música do ABBA em versão techno. O ABBA Teeens vendeu por volta de 2 milhões de singles e 10 milhões de álbuns.

 

O ator Hugo Weaving treinou na frente do espelho para as cenas em que cantava músicas do ABBA no filme Priscilla, A Rainha do Deserto.

 

Até maio de 2015, o grupo vendeu 380 milhões de álbuns no mundo todo.

 

O musical Mamma Mia! fez um sucesso estrondoso em Pequim, na China, com atores e músicos chineses.

 

Em 2010, os músicos do ABBA tentaram processar um partido político dinamarquês pela utilização da música Mamma Mia em comícios. O processo não chegou a ir adiante porque ambas as partes entraram em acordo.

 

A cidade sueca de Estocolmo inaugurou em 2013 um museu dedicado ao ABBA. A instituição contém em seu acervo gravações originais, capas de discos, trajes usados nos show, bonecos de cera (imagem acima), fotos, depoimentos e muitos souvenires sobre o grupo. Uma das peças mais curiosas é um piano idêntico ao de Benny Anderson que toca sozinho sempre que Benny toca piano em casa.

 

Em abril de 2018, o grupo anunciou uma reunião para gravar duas música inéditas. A notícia deixou os fãs eufóricos, mas os próprios músicos avisaram que o ABBA dificilmente iria além disso. Nada de retorno aos shows!

 

Share: