Localizam-se acima do Círculo Polar Ártico o extremo norte do Canadá, a maior parte do Alasca, três quartos da Groenlândia, um terço da Sibéria e o norte da Escandinávia.

 

A primavera e o verão são as estações mais curtas no extremo norte, durando de 15 a 30 dias. No verão, as temperaturas máximas raramente ultrapassam os 10º Celsius.

 

O Ártico é bastante conhecido pelo Sol da meia-noite. Lá, o dia dura 24 horas e o Sol nunca se põe. O contrário ocorre no inverno, quando a noite se estende por até seis meses.

 

A maior ilha do mundo é a Groenlândia, com 2.175.600 quilômetros quadrados de superfície. Pertencente à Dinamarca, ela é habitada por apenas 57 mil pessoas. Nuuk, a maior cidade da ilha, possui 15 mil habitantes. O motivo por ser tão escassamente habitada? Simples: a Groenlândia é uma grande geleira, habitada somente nas áreas costeiras.

 

Pertencente ao Canadá, Baffin é uma das ilhas menos habitadas do mundo. Apesar de seus 520.000 quilômetros quadrados, ela possui apenas 10 mil moradores. Pudera, Baffin fica tão ao norte que torna a vida humana insuportável.

 

Com uma área de 1.723.336 quilômetros quadrados, o Alasca é o maior estado dos Estados Unidos. Mas é também um dos menos habitados, com uma população de apenas 710 mil habitantes.

 

A Islândia é um país insular localizado nas proximidades do Círculo Polar Ártico. Apenas as áreas costeiras são habitadas. O território é coberto de gelo, cinzas e lavas. Ela possui vulcões que, quando entram em atividade, chegam a interromper o tráfego aéreo em boa parte da Europa. Detalhe: a Islândia é parte de uma grande cadeia submersa de montanhas que corta todo o oceano Atlântico, a Dorsal Atlântica.

 

Os verões islandeses são extremamente curtos, começando em junho e terminando em meados de agosto. A temperatura média durante um dia de verão é de 15º Celsius. Os invernos islandeses são “menos congelantes” do que o de outras localidades na mesma latitude. O clima oceânico da ilha faz com que as temperaturas dificilmente fique muito abaixo de zero nos meses mais frios do ano.

 

A Sibéria é uma extensa região situada ao norte do planeta. Estende-se desde os montes Urais até o Pacífico, e das fronteiras com a Mongólia e China até o Oceano Ártico. Um terço de seu território está no interior do Ártico. Praticamente toda a Sibéria pertence à Rússia. Em tártaro, Sibéria significa “terra adormecida”.

 

Situada ao norte da Escandinávia, a Lapônia abrange quatro países: Finlândia, Suécia, Rússia e Noruega. É habitada por ursos, renas, lobos e outros animais. O povo que lá vive é chamado de lapão. Uma curiosidade interessante: a Lapônia tornou-se mundialmente conhecida por ser a terra de Papai Noel.

 

O Oceano Glacial Ártico é o menor e mais raso dos cinco oceanos da Terra. Permanece congelado na maior parte do ano, embora a calota diminua durante o verão. Os cientistas estão preocupados com a cada vez mais crescente diminuição do gelo no Oceano Ártico, que atribuem ao efeito estufa.

 

O lugar mais frio da Terra é a Antártida, com temperaturas que podem alcançar -60º Celsius. Embora não seja tão frio, o Ártico possui temperaturas hostis, chegando a -50º Celsius.

 

A cidade mais fria do mundo é Yakutsk, na Sibéria. No inverno, a temperatura média pode girar em torno de -50º Celsius (isso mesmo: 50 abaixo de zero!!).

 

Conhecidos genericamente como esquimós, os inuits são os mais antigos habitantes da Groenlândia, norte do Alasca e norte do Canadá. Vivem da caça e da pesca, aproveitando até os ossos e as veias de animais abatidos. A gordura de focas e baleias é usada como combustíveis. A pele de foca, rena e urso transforma-se em vestimenta (a pele é voltada para dentro para aquecer o corpo). Ossos viram botões. Atualmente, os inuits trabalham em diversos setores, inclusive de petróleo e gás. Existem cerca de 56 mil inuits só no norte do Canadá.

 

O solo das regiões próximas ao oceano polar permanece congelado na maior parte do ano. As suas baixas temperaturas permitem que corpos de pessoas sepultadas há séculos permaneçam em excelente estado de conservação.

 

A maior floresta tropical do mundo é a floresta amazônica. Mas, acredite, ela não é a maior da Terra. A maior é a floresta boreal que cobre quase todo o norte do planeta. Conhecida como taiga, a floresta boreal é formada principalmente por árvores coníferas. A taiga é comumente encontrada no norte do Alasca, Canadá, sul da Groenlândia e partes da Noruega, Suécia, Finlândia, Rússia e Japão.

 

Nas terras ao norte da taiga é muito comum um tipo de vegetação chamada tundra. A tundra é constituída de musgos, líquens, gramíneas e ervas baixas. As árvores são praticamente inexistentes.

 

Mamutes mortos há mais de 10 mil anos foram encontrados em bom estado de conservação, permitindo aos cientistas estudar como viviam esses animais. Existem ainda nessa região pessoas que se dedicam a procurar presas desses animais para revendê-las no mercado chinês.

 

Animal típico do Ártico, a morsa é facilmente reconhecida por suas presas, que podem chegar a até um metro de comprimento. As presas são utilizadas para arrancar moluscos e outros tipos de alimentos do fundo mar.

 

As peles dos filhotes das focas-da-Groenlândia são muito cobiçadas por caçadores, e por isso eles são massacrados aos milhares todos os anos. Esse tipo de foca não vive em terra firme, mas em colônias no Atlântico Norte e Oceano Ártico. Fazem buracos no gelo para respirar. São presas frequentes dos ursos polares.

 

Lobos existem em grande número nas regiões próximas ao Círculo Polar Ártico. Eles caçam em bandos, normalmente comandados por um macho-chefe. Costumam caminhar na ponta dos pés e pisar exatamente sobre as pegadas do animal que vai à frente do grupo.

 

Muito usados na condução de trenó (embora um pouco menos hoje em dia, em virtude dos veículos motorizados), o cão-esquimó é capaz de percorrer até 300 quilômetros num único dia. É muito resistente ao frio e, graças ao olfato apurado, é capaz de seguir o rastro de animais como raposas, ursos polares e caribus.

 

A raposa-do-ártico é um dos animais mais resistentes ao frio. É capaz de suportar temperaturas de até -50º Celsius. Sua pela torna-se branca no inverno, permitindo à raposa camuflar-se na neve e capturar pequenas aves e roedores. Mas um detalhe: normalmente se alimenta de animais mortos.

 

O urso polar é um excelente nadador. Pode nada até 50 quilômetros por hora. Os pelos longos e a grossa camada de gordura abaixo da pele permitem proteção contra o frio. Pode chegar a pesar até 800 quilos.

 

Da família dos cervídeos, o alce pode chegar a até 2 metros de altura. Seus chifres achatados, que são usados nos confrontos com outros machos na época do acasalamento, pesam até 30 quilos. Vivem nas florestas temperadas e áreas próximas ao Círculo Polar Ártico.

 

Um dos animais mais comuns no Polo Norte é a rena, também conhecida como caribu. Tanto o macho quanto a fêmea possuem chifres, o que é incomum nos cervídeos. As renas são ótimas nadadoras. Migram grandes distâncias para parir os filhotes. O seu maior inimigo natural é o lobo.

 

Encontrado em abundância durante os meses mais quentes no Ártico, o ganso faveiro costuma imigrar para o sul com a diminuição nas temperaturas no outono. Esse tipo de ave é comum na Islândia e Lapônia.

 

Outra ave que costuma passar os invernos nas regiões mais quentes da Europa e América do Norte é o grande-mergulhão-do-norte. Sua característica mais curiosa é o grito, que mais parece uma risada ou lamento. É também um grande mergulhador, permanecendo em profundidades de até 2 metros por mais de 2 minutos.

 

Comuns nas águas geladas do Polo Norte, a baleia beluga – também conhecida como baleia-branca – possui um trinado que mais parece um canário. Não é sem motivo que ela é chamada de canário do mar. Recentemente, descobriu-se que ela é capaz de imitar a voz humana.

 

O Ártico é uma região rica em petróleo e gás. Países como Rússia estão tomando posse das águas ao norte da Sibéria para controlar as suas reservas naturais. A corrida pelas riquezas do Oceano Ártico aumentou com o crescimento do degelo do verão.

 

O Facebook construiu um data center numa cidade sueca a 100 quilômetros do Círculo Polar Ártico. Como as máquinas do DC geram muito calor, elas precisam de ar condicionado. Mas no Ártico basta abrir as janelas para o frio entrar. A temperatura média de 2,5º Celsius se incumbirá de resfriar os computadores que ajudarão a rede social a funcionar.

 

Share: