A Cordilheira do Himalaia fica na Ásia e abrange cinco países: Índia, China, Paquistão, Nepal e Butão. É a cordilheira com os picos mais altos do mundo, entre os quais o Everest. Confira abaixo os números e curiosidades que reunimos a respeito dessa fascinante cadeia de montanhas.

 

O nome Himalaia originou-se do sânscrito – uma língua bastante falada na Índia – e significa “Morada da Neve”.

 

As 15 montanhas mais altas do planeta ficam na Cordilheira do Himalaia. São mais de 100 picos com altitudes superiores a 7 mil metros.

 

A mais alta montanha do planeta é o Monte Everest, com 8.848 metros de altura. A segunda colocada é o Monte K2, com 8.611 metros, também no Himalaia.

 

O Himalaia começou a se formar há cerca de 26 milhões de anos, quando a placa indiana se projetou para o norte, na direção da placa eurasiática.

 

A placa indiana avança cerca de 5 centímetros ao ano na direção da eurasiática, o que contribui para que montanhas como o Everest cresçam 0,8 milímetros nesse período.

 

O maior e mais elevado planalto do mundo é o Planalto do Tibete, com altitude média acima dos 4 mil metros, no norte do Himalaia. Ele abrange diversas regiões, sobretudo a Região Autônoma do Tibete, na China.

 

Na verdade, o Himalaia é um grande sistema de montanhas que engloba diversas cordilheiras: o Himalaia propriamente dito, a Cordilheira do Karakorum, o Pamir e o Indo Kush.

 

O Himalaia possui centenas de lagos, a maioria localizada a menos de 5 mil metros de altitude. Uma exceção é o lago Gurudogman, que fica numa altitude de 5.148 metros. O maior desses lagos é o Pangong Tso, na fronteira da Índia com a China.

 

O Himalaia é dotado de uma grande quantidade de geleiras, as maiores fora das regiões polares. Elas alimentam rios importantes como o Yang-Tsé, o Ganges, o Indo e o Mekong. Mais de 1 bilhão de pessoas dependem desses rios.

 

Uma das consequências do aquecimento global é o derretimento das geleiras do Himalaia. Em países como Butão e Nepal, o derretimento criou lagos imensos, que ameaçam romper e destruir cidades inteiras.

 

A diminuição da geleiras ameaça seriamente a agricultura de países asiáticos como a China e a Índia. Acredita-se que a produção agrícola poderá cair em torno de 10% até 2050 devido a esse fenômeno.

 

O Himalaia possui um rico ecossistema, formado em grande parte por espécies endêmicas. A biodiversidade é tão impressionante que desde 2009 foram descobertas mais de 200 espécies novas. Uma das mais curiosas é um peixe que consegue respirar fora d´água por 4 dias. Ele se arrasta no chão por até 400 metros entre um lago e outro.

 

O movimento da placa Indiana contra a Eurasiática provocou um grande terremoto no Nepal em abril de 2015. Ao invés dos costumeiros 5 centímetros anuais, ela avançou 4 metros em apenas 20 segundos. Essa liberação repentina de energia gerou um terremoto de 7,8 graus na escala Richter, que matou milhares de pessoas.

 

Uma das regiões mais tensas do planeta é a Caxemira, na parte ocidental do Himalaia. Ela é disputada por Paquistão e Índia, que quase chegaram à guerra total. Como se não bastasse, existe também um forte movimento separatista local.

 

Fontes: Wikipédia, National Geographic Brasil, Enciclopédia Ilustrada Folha, G1.

Share: