Descubra as pequenas curiosidades e fatos inusitados sobre a vida do escritor, tradutor, desenhista e humorista brasileiro Millôr Fernandes, além de algumas citações selecionadas por esse site. Você sabia, por exemplo, que seu nome verdadeiro era Milton?

 

O nome verdadeiro do humorista carioca Millôr Fernandes era Milton Viola Fernandes.

 

Francisco Fernandes, o pai de Millôr, era de origem espanhola.

 

Milton nasceu em agosto de 1923, mas só chegou a ser registrado em maio de 1924.

 

Milton se transformou em Millôr por causa da caligrafia ininteligível da certidão de nascimento. Quer dizer: ele adotou o nome que conseguia ler na certidão.

 

No início da adolescência, Millôr gostava de ler gibis do herói de ficção científica Flash Gordon.

 

Perdeu o pai aos dois anos de idade e a mãe aos seis.

 

Com 10 anos de idade, vendeu o seu primeiro desenho para um jornal.

 

Seu primeiro emprego foi como entregador de remédios de uma farmácia.

 

Além de humorista, MillIôr desempenhou funções como dramaturgo, jornalista, escritor, artista plástico, tradutor e chargista.

 

Millôr assinou uma coluna semanal na revista O Cruzeiro sob o pseudônimo de Vão Gogo. Aliás…

 

Ele começou em O Cruzeiro como repaginador.

 

Millôr dirigiu uma revista de histórias em quadrinhos chamada O Guri e uma de contos policiais cujo nome era Detetive.

 

Em 1956, dividiu o primeiro lugar na Exposição Internacional do Museu da Caricatura, em Buenos Aires, com ninguém menos que o chargista norte-americano Saul Steinberg.

 

Foi um dos fundadores do famoso jornal O Pasquim.

 

Millôr sempre reivindicou o título de inventor do frescobol.

 

Sua saúde começou a se deteriorar no início de 2011, quando sofreu um acidente vascular cerebral, ficando vários dias em coma. Millôr morreu em março de 2012, aos 88 anos.

 

Citações de MillIôr Fernandes:

Quem mata o tempo não é um assassino: é um suicida.

Como são admiráveis as pessoas que nós não conhecemos bem.

Você pode desconfiar de uma admiração, mas não de um ódio. O ódio é sempre sincero.

Desconfio sempre de todo idealista que lucra com seu ideal.

O que o dinheiro faz por nós não é nada em comparação com o que nós fazemos por ele.

Você está começando a ficar velho quando, depois de passar uma noite fora, tem que passar dois dias dentro.

Ser gênio não é difícil. Difícil é encontrar quem reconheça isso.

Democracia é quando eu mando em você, ditadura é quando você manda em mim.

O Brasil é realmente muito amplo e luxuoso. O serviço é que é péssimo.

Erudito é um sujeito que tem mais cultura do que cabe nele.

A gente só morre uma vez. Mas é para sempre.

 

 

Share: