O hinduísmo é a religião mais popular da Índia. Possui mais de 800 milhões de seguidores. Eles costumam se referir ao hinduísmo como Sanatana Dharma, que quer dizer “A Eterna Dharma”, ou “A Eterna Lei”.

 

Existe um grande número de deuses. Os cultos a essas divindades são separados e distintos, como se fossem cultos monoteístas. Os deuses mais cultuados são Brahma, Vishnu, Shiva, Kali, Durga, Shakti, Ganesh (o deus com cabeça de elefante) e Rama.

 

Os hindus não possuem uma fórmula para as orações, mas todos fecham os olhos quando estão orando, a fim de que os sentidos fiquem voltados para o mundo interior.

 

Existem sete cidades sagradas para os hindus, sendo a mais importante Varanasi. Acredita-se que ela foi fundada pelo deus Shiva há mais de 5.000 anos, e quem morre lá consegue libertar sua alma.

 

O rio Ganges é considerado sagrado na cultura hindu, que o venera como a deusa Ganga. Acredita-se que a vida de uma pessoa não sera completa se ela não mergulhar pelo menos uma vez em suas águas.

 

Os mortos são normalmente cremados em cerimônias públicas e suas cinzas lançadas no rio Ganges. Os hindus acreditam que o deus do fogo purificará o cadáver e libertará sua alma durante a cremação.

 

Alguns dos mais importantes festivais hindus ocorrem nas margens do rio Ganges. É o caso do Kumbha Mela, que ocorre quatro vezes a cada 12 anos.

 

Esqueça a peregrinação a Meca, um dos deveres do islamismo. A maior peregrinação religiosa do mundo é o Kumbha Mela, que atrai em torno de 100 milhões de pessoas.

 

O único país onde o Big Mac, carro-chefe da cadeia de fast food norte-americana McDonald’s, é diferente é a Índia. Lá, é servida uma variação com frango. A maioria esmagadora da população indiana não come carne bovina, visto que a vaca é considerada um animal sagrado no hinduísmo.

 

Tradicionalmente, os indianos costumam comer usando a mão direita… e sem nenhum talher! Em muitos países orientais, a mão esquerda, que é usada para propósitos higiênicos, é considerada impura.

 

Usada em muitas regiões da Ásia, a palavra “namastê” significa “curvo-me diante de ti”. Como expressão, quer também dizer: “O deus que habita dentro de mim saúda o deus que existe em ti”. É uma espécie de cumprimento feito com as mãos juntas diante do tórax com uma ligeira curvatura.

 

Uma das celebrações mais curiosas do hinduísmo é o Holi, um festival religioso de primavera. Chamada de Festival das Cores, é quando as pessoas jogam pó colorido umas nas outras.

 

Outra celebração é o Diwali, ou Festival das Luzes. Celebrado uma vez por ano, o Diwali é também comemorado por sikhs e jainistas. É quando as pessoas fazem uma super limpeza em suas casas, vestem roupas novas, desejam “feliz Diwali” para parentes e amigos e assistem incríveis queimas de fogos de artifício. As ruas, templos e residências são decoradas com luzes coloridas, mais ou menos como os cristãos fazem no Natal.

 

O Diwali celebra o triumfo do bem sobre o mal, assim como outra festividade hindu: o Dussehra. Ela consiste em uma cerimônia de 10 dias de jejuns e rituais que lembram a vitória do deus Rama sobre o demônio Ravana.

 

O Ganesh Chaturthi é quando os hindus celebram o nascimento de Ganesh, o deus com cabeça de elefante. Segundo a crença, as preces feitas a Ganesh durante a comemoração trazem boa sorte e prosperidade para toda a família.

 

Um dos conceitos mais comuns no hinduísmo é o de casta. Para os hindus, as pessoas são divididas em diversas castas, sendo a dos bramanes/sacerdotes a mais elevada. Abaixo das castas estão os dalits, que são comumente chamados de intocáveis. São eles os responsáveis por serviços “sujos” como recolher cadáveres, varrer as ruas e limpar latrinas.

 

Os hindus acreditam numa força única e suprema, mas que assume inúmeras e incontáveis formas. Mais propriamente 330 milhões! Esse é o número de deuses cultuados nessa religião.

 

O hinduísmo é a religião mais popular da Índia, onde é seguido por mais de 80% da população.

 

O hinduísmo influenciou fortemente outras religiões indianas, como o budismo, o sikhismo e o jainismo. À semelhança de muitos hindus – e também budistas, vale aqui lembrar –, os jainistas pregam a devoção ao trabalho e o ascetismo. O ascetismo é uma moral que desvaloriza os aspectos corporais do homem e prega a negação do materialismo.

 

Um dos movimentos religiosos e filosóficos de inspiração hindu mais conhecidos no Ocidente é o Hare Krishna. Literalmente, significa Sociedade Internacional para a Consciência de Krishna. Fundado por um indiano radicado em Nova York, tem como objetivo propagar o ascetismo, o crescimento espiritual, a colaboração entre os seus membros etc. Angariou muitos adeptos no Brasil entre os anos 1970 e 1980.

 

O mantra mais importante do hinduísmo é o Om, que é considerado por muitos o som do universo, o corpo sonoro do absoluto. Incorpora o conhecimento dos Vedas. É formado por três letras, que correspondem a três estados de consciência. IMAGEM ACIMA.

 

Fontes: Wikipédia, Mundo Estranho, Superinteressante, UOL, Dicionário das Religiões.

 

Share: