Os filmes de Hollywood ajudaram a transformar o morcego numa criatura associada às trevas. Aprendemos que morcegos são vampiros. Mas isso não é verdade. Pouquíssimas espécies se alimentam de sangue. Percorra as linhas a seguir e descubra algumas curiosidades e informações interessantes sobre os morcegos.

 

Os morcegos são animais da ordem Chiroptera, que é dividida em duas subordens: a Microchiroptera (os morcegos propriamente ditos) e Megachiroptera (as chamadas raposas-voadoras). A palavra chiroptera tem origem grega e significa “mão” e ptero, “asa”.

 

Acredite se quiser, mas o fóssil mais antigo de morcego de que se tem notícia possui aproximadamente 50 milhões de anos.

 

Existem cerca de 1.100 espécies de morcegos. De cada quatro mamíferos existentes no mundo, um é morcego.

 

Com exceção dos polos, existem morcegos em todos os lugares do planeta. Das mais de mil espécies, 138 vivem no Brasil.

O menor morcego do mundo é o Craseonycteris tonglongyaii, com somente 2 gramas – do tamanho de uma cereja. Ele vive na Tailândia.

 

Com asas com quase 2 metros de envergadura, a maior espécie é a Pteropus giganteus, um tipo de raposa-voadora que vive na Ásia.

 

A maior espécie brasileira é a Vampyrum spectrum (isso mesmo, um morcero do tipo vampiro) com 1 metro de envergadura.

 

A estrutura óssea das mãos dos morcegos são parecidas com a dos primatas, com a diferença de que as falanges são compridas e unidas por uma estrutura membranosa que forma a asa. Detalhe: essa membrana é também unida aos pés. A asa é chamada patágio.

 

As asas diminuíram a capacidade dos morcegos de ficarem eretos, por isso que eles tem o hábito de permanecer de cabeça para baixo. Ficar nessa posição é também de grande utilidade para alçarem voo.

 

A maioria das espécies é insetívora (que se alimenta de insetos), mas existem morcegos que se alimentam de frutos, sementes, folhas e pequenos animais. Somente três espécies são hematófagas, ou seja, se alimentam de sangue.

 

Os morcegos hematófagos são os únicos mamíferos que se alimentam exclusivamente de sangue. Dependendo da espécie, atacam de animais grandes como cavalos a pequenos como galinhas. Detalhe: sua dieta não inclui sangue humano.

 

Para se alimentar, os morcegos-vampiros furam a pele com seus dentes e lambem o sangue do animal. Sua saliva possui uma substância que impede que o sangue da vítima coagule.

 

A gestação dos morcegos dura de dois a sete meses, dependendo da espécie. A fêmea dá a luz a apenas um filhote que, assim que nasce, agarra-se aos pelos da mãe. Berçários de morcegos, lugares onde várias fêmeas dão a luz ao mesmo tempo – normalmente cavernas ou ocos de árvores –, são bastante comuns.

 

Morcegos costumam se localizar através de um mecanismo chamado ecolocalização. Eles emitem pulsações sonoras que batem no alvo e retornam como um eco, permitindo ao animal descobrir sua posição exata. Ao contrário do que muitos pensam, a maioria dos morcegos enxerga bem.

 

Entre os predadores de morcegos estão as cobras, as corujas e os falcões. Gatos domésticos costumam capturar morcegos que se refugiam em buracos. Alguns animais cavernícolas, como algumas espécies de lacraias também se alimentam de morcegos.

 

A carne de morcego é apreciada em países da Ásia como o Vietnã. Além de sopas, são preparados guisados e lasanhas com o animal (morcegos que se alimentam de frutas, cuja carne não faz mal para o ser humano). A carne tem baixo teor de gordura e sabor parecido com a de frango.

 

Você já ouviu falar em chuva de morcegos? Pois foi o que aconteceu no início de 2014 em Queensland, na Austrália. Cerca de 100 mil morcegos apareceram mortos em gramados, jardins e plantações. A principal hipótese para a alta mortalidade foi o excesso de calor, que beirou os 43º Celsius em algumas regiões da Oceania.

 

Share: