O bioquímico e escritor Isaac Asimov nasceu em 1920 e faleceu em 1992, aos 72 anos de idade. Seu nome verdadeiro era Isaak Yudovich Ozimov. Escreveu séries famosas como Fundação e Robôs, além de livros para crianças e artigos científicos. Descubra nas próximas linhas abaixo alguns fatos e curiosidades sobre a sua biografia e sua obra.

 

Asimov nasceu numa família judia da localidade russa de Petrovich, mas passou quase toda a vida nos Estados Unidos. Sua família imigrou para a América do Norte quando ele tinha somente 3 anos de idade.

 

Aprendeu a ler sozinho aos cinco anos de idade, além de que começou a escrever suas próprias histórias aos 11. Um detalhe: além de inglês, ele era fluente em ídiche.

 

Possuiu diversos empregos entre a adolescência e o início da vida adulta, um deles na loja de doces dos pais. Interessante é que a loja não vendia somente doces, mas revistas, que o jovem Isaac devorava sem pestanejar. Foi assim que tomou contato e se apaixonou pelas histórias de ficção científica.

 

Na década de 1950, escreveu uma série de histórias de ficção científica para crianças com o pseudônimo de Paul French. Chamada coletivamente de Lucky Starr, essa série contava as aventuras do herói de mesmo nome pelo Sistema Solar.

 

Nem todos os fãs dos Beatles sabem, mas Asimov escreveu um filme de ficção científica para ninguém menos que Paul McCartney. Chamada Cinco e Cinco e Um, ela acabou não sendo aprovada pelo músico, que abandonou a ideia. Cabe lembrar que McCartney sempre foi fã de ficção científica.

 

Asimov era amigo de Gene Roddenberry, criador Star Trek, com quem chegou a trabalhar como consultor científico.

 

Ao contrário do que muitos pensam, não foi Asimov quem inventou a palavra “robô”. Ela foi usada pela primeira pelo escritor tcheco Karel Capek em uma peça em 1921. Mas foi Asimov quem pela primeira vez utilizou o termo “robótica”. Ela surgiu no conto Mentira!, referindo-se à tecnologia usada pelos robôs.

 

Durante uma cirurgia para corrigir problemas cardíacos, realizada em 1977, Asimov recebeu uma transfusão de sangue. O que os médicos não sabiam é que ele estava contaminado com o vírus HIV. O escritor contraiu AIDS e morreu em virtude de complicações provocadas pela doença, em 1992.

 

A causa da morte do escritor permaneceu em segredo durante 10 anos, talvez em virtude do preconceito que existia na época com a AIDS. Foi quando sua esposa publicou uma seleção de cartas póstumas chamada It’s Been a Good Life, que o público tomou conhecimento de que Asimov havia morrido da doença.

 

Entre os livros publicados por Isaac Asimov, vale lembrar de Fundação, O Fim da Eternidade, Nêmesis, O Cair da Noite, As Cavernas de Aço, Para Onde Vamos?, O Início e o Fim, O Despertar dos Deuses, O Homem Bicentenário, Escolha a Catástro e Eu, Robô.

 

O Homem Bicentenário, um dos livros mais conhecidos de Asimov, foi adaptado com grande sucesso para o cinema em 1999. Com Robin Williams no papel do personagem principal, ele conta a história de um robô que é introduzido na casa de uma família e a acompanha durante décadas.

 

Eu, Robô, outro livro bastante famoso de Isaac Asimov, teve uma adaptação cinematográfica em 2004. Conta com Will Smith no papel principal, e narra a história de um detetive chamado para investigar um possível suicídio. Ele suspeita que tenha ocorrido um crime cometido por um robô.

 

Fontes: Wikipédia, Editora Aleph, Mentalfloss.

Share: