O nome completo da pintora mexicana Frida Kahlo era Magdalena Carmen Frieda Kahlo y Calderón.

 

Frida nasceu numa pequena localidade do México chamada Coyacán – um distrito da cidade do México atualmente. Uma das principais referências de Coyacán é o estádio Azteca, famoso por sediar importantes jogos de futebol.

 

Guilhermo Kahlo, o pai de Frida, era de origem alemã e se chamava Carl Wilhelm Kahlo. Chamada Matilde Gonzales y Calderón, a mãe de Frida era mexicana com antepassados espanhóis e indígenas.

 

Aos seis anos de idade, Frida contraiu poliomielite, doença que deixou uma lesão em um de seus pés e fez com que ficasse com uma perna mais fina do que a outra. A pólio mudaria pelo resto da vida o seu modo de andar. Mas essa não foi a única tragédia em sua vida.

 

Quando tinha 18 anos, Frida sofreu um grave acidente de ônibus. Uma barra de ferro atravessou o seu abdômen, deixando-a entre a vida e a morte. Além disso, ela sofreu múltiplas fraturas e teve a coluna afetada. Frida sofreu 35 cirurgias e teve que enfrentar as sequelas do acidente pelo resto da vida.

 

Frida era estudante na época em que sofreu o acidente. A pintora só se revelaria durante o período de convalescença. Sua mãe comprou telas, tintas e pinceis para que ela pudesse pintar na cama. Um de seus primeiros quadros foi um autorretrato.

 

Três dos seus quadros foram apresentados ao pintor Diego Rivera, por quem Frida acabaria se envolvendo pelo restante da vida. Quando se casaram, ela tinha 22 anos e ele, 43.

 

O casamento foi muito conturbado, principalmente em virtude das constantes traições de ambos. Em uma ocasião, Frida chegou a flagrar Cristina, sua irmã, na cama com Diego.

 

As tentativas de ter filhos e com eles constituir família nunca deram certo. Frida sofreu vários abortos por causa de seu estado de saúde delicado.

 

O segundo mais famoso caso de amor da pintora foi o revolucionário russo Leon Trotsky, que vivia no México como refugiado. Frida e Trotsky tiveram esse romance às escondidas.

 

Se não tivesse se tornado pintora, Frida certamente seria médica. Ela cursava medicina na época em que sofreu o acidente que a deixou meses paralisada.

 

Diego Rivera proibiu o acesso ao bens de Frida após a sua morte. Muitos vestidos, objetos pessoais e até trabalhos da pintora só puderam ser vistos pelo público após a década de 2000, apesar da pintora ter morrido em 1954.

 

Passados 60 anos da sua morte, a revista Vogue do México escolheu Frida para ser capa de uma das suas edições. Foi a primeira vez que uma pintora latina foi capa da revista.

 

Frida costumava retratar o seu sofrimento nos seus quadros. Eles mostram uma pintora ensanguentada, com os órgãos internos expostos, usando aparelhos ortopédicos e em cadeira de rodas.

 

Frida Kahlo é atualmente um dos ícones pops mais reverenciados em todo o mundo. Feiras alternativas e lojas de arte possuem uma infinidade de objetos com a pintora como tema principal: camisetas, bolsas, sacolas, capas para celular, chaveiros, sandálias e até caixas de fósforo.

 

Fontes: Wikipédia, Brasil Post, Biografias y Vidas, UOL.

 

Share: