Zumbi dos Palmares nasceu provavelmente na região da Serra da Barriga, onde hoje está localizado o município de União dos Palmares, em Alagoas. Alguns historiadores acreditam, no entanto, que ele tenha nascido na África. Veja nas linhas a seguir alguns fatos curiosos sobre a sua trajetória.

 

“Dado de presente” a um padre, Zumbi cresceu aprendendo português e latim. Estudou a Bíblia e teve aulas de matemática. Foi batizado com o nome de Francisco.

 

A palavra “zumbi” veio provavelmente do termo africano zumbe, que significa “fantasma”, “espectro”.

 

Qualquer agrupamento com mais de 6 escravos já era chamado de quilombo. Os seus moradores eram conhecidos como quilombolas (palavra com origem no termo tupi “calhambora”, que significa “aquele que foge”).

 

O Quilombo dos Palmares foi um reino formado por escravos fugitivos cuja população no seu auge chegou a 20 mil pessoas. Surgiu por volta de 1580, quando escravos fugidos de Pernambuco e Bahia formaram uma pequena vila fortificada na região.

 

O Quilombo dos Palmares foi o maior quilombo da história do Brasil, com vários povoados chamados de “mocambos” (“esconderijo”, num dos dialetos africanos falados no local). O detalhe é que também possuíam mestiços, índios e brancos entre os seus moradores.

 

Os povoados de Palmares possuíam nomes como Amaro, Subupira, Tabocas e Macaco, a capital do Quilombo.

 

Além de plantar mandioca e cana-de-açúcar, os quilombolas criavam gados. O alimento era dividido entre todos e quando havia sobras, trocado por sal, armas de fogo e pólvora.

 

Acredita-se que a maioria dos moradores do quilombo era formada por homens. Suspeita-se também que eles invadiam fazendas para libertar escravos, roubar comida e raptar mulheres.

 

O primeiro grande líder do Quilombo dos Palmares foi Ganga Zumba, tio de Zumbi.

 

Até ser definitivamente destruído, o quilombo sofreu cerca de 40 ataques ordenados pelo governador-geral do Brasil.

 

O Quilombo dos Palmares sucumbiu com um ataque iniciado pelo bandeirante Domingos Jorge Velho. Acuado, Zumbi acabou fugindo para a mata, mas foi traído por um de seus companheiros, que delatou o esconderijo aos portugueses.

 

Depois da morte, o corpo de Zumbi foi mutilado e sua cabeça enviada para Recife, onde permaneceu exposta em praça pública.

 

Zumbi morreu no dia 20 de novembro, data escolhida para ser o Dia da Consciência Negra.

 

A Serra da Barriga é considerada atualmente Patrimônio Histórico do Brasil. Ainda hoje possui comunidades quilombolas remanescentes, como a de Muquém, a 5 quilômetros de União dos Palmares.

 

Fontes: Wikipédia, Guia do Estudante, Guia dos Curiosos, UOL Educação.

Share: