A Ku Klux Klan é ainda hoje considerada uma das organizações racistas mais atuantes do mundo. Chegou a perseguir negros, judeus e outras minorias. Surgiu em 1866, mas possui simpatizantes até hoje. Descubra alguns fatos curiosos sobre a sua história e sua atuação.

 

A Ku Klux Klan foi uma organização secreta racista fundada no estado norte-americano do Tennessee em 1866. Sua nata era formada por veteranos derrotados na Guerra de Secessão que assolou os Estados Unidos naquele período.

 

A Guerra de Secessão durou quatro anos (1861 a 1865) e terminou com a vitória do Norte/União abolicionista sobre o Sul/Confederados escravocrata. Ela deixou um saldo de 700 mil mortos, isso sem considerar as vítimas civis.

 

Usada pelos Confederados a bandeira com uma cruz pontilhada por estrelas (detalhe imagem acima) foi durante muito tempo considerada um dos símbolos da KKK. Ela ainda hoje causa polêmica por remeter a grupos de extrema direita e entidades racistas. É visto por muitos como um símbolo tão odioso quanto a suástica nazista.

 

As duas primeiras palavras do nome da organização vieram provavelmente do grego “kyklos”, que significa “círculo”. O termo Klan foi provavelmente adotado para dar maior sonoridade à expressão.

 

A Ku Klux Klan perdeu força durante a crise econômica dos anos 1930, voltando com tudo na década de 70. Seu poder, no entanto, acabou decaindo depois que as vítimas dos seus atos racistas começaram a entrar na justiça pedindo indenizações.

 

Sua primeira grande derrota ocorreu em 1871, quando o presidente Ulisses Grant pôs o grupo na ilegalidade. A perseguição aos seus membros não adiantou muito, uma vez que eles acabaram com o decorrer do tempo fundando outros grupos racistas, como o Rifle Club, o Shot Gun Plan e o White League.

 

A identidade dos membros da organização era mantida em sigilo. Eles usavam túnicas e capuzes brancos para não serem identificados (eles representam os soldados brancos mortos na Guerra Civil, o que servia para assustar os negros mais supersticiosos).

 

O uso da cruz em chamas representava o Espírito Santo (lembrando que o membros da KKK eram protestantes) e começou na segunda encarnação do grupo. Ela foi inspirada no filme O Nascimento de uma Nação (The Birth of a Nation, imagem acima).

 

Motivados pelo filme O Nascimento de uma Nação, de D. W. Grifith, milhares de norte-americanos aderiram ao grupo, que chegou a possuir 5 milhões de associados nessa época. Detalhe: além de negros, a Klan passou a perseguir judeus, estrangeiros, católicos, comunistas e outros grupos. Isso obrigou o governo a mais tarde proibir o uso de máscaras que não fosse no Halloween e no carnaval.

 

Em suma, a KKK existiu em três momentos distintos da história dos Estados Unidos: de 1865 a 1870, 1915 a 1944 e de 1946 em diante.

 

Entre os tópicos do estatuto da primeira Klan constam: “membros devem se opor à igualdade racial”, “membros devem ser a favor dos direitos do homem do sul (o que inclui ter escravos) e “membros devem ser a favor de um governo de brancos”.

 

A ousadia da Klan foi tamanha que ela chegou em alguns períodos a promover grandes marchas sobre Washington DC. Muitos associados deixaram inclusive de esconder o rosto.

 

Fontes: Wikipédia, Brasil Escola, Guia do Estudante, Mundo Estranho.

Share: