Conhecida em todo o país, a avenida Paulista serviu de cenário para uma minissérie que levava seu nome. Exibida em 1982 pela Rede Globo, e com Antônio Fagundes e Bruna Lombardi no elenco, a minissérie retratava o mundo dos negócios e a ambição humana como nenhuma outra fez. Veja nas linhas a seguir outras 24 curiosidades sobre essa que é a mais importante via de São Paulo.

 

A avenida Paulista foi inaugurada no 8 de dezembro de 1891 graças à iniciativa do engenheiro Joaquim Eugênio de Lima. Inicialmente, a região era apenas uma trilha aberta na Mata do Caguaçu, uma grande reserva de Mata Atlântica.

 

A Paulista foi a primeira via pública asfaltada de São Paulo, em 1909, com material importado da Alemanha, uma novidade até na Europa e Estados Unidos. Na época, a população da cidade não passava de 100 mil habitantes.

 

Com 200 mil moradores, se a Paulista fosse uma cidade, estaria entre as 150 maiores do Brasil, próxima de cidades como Praia Grande (245 mil habitantes) e Boa Vista (com 249 mil).

 

Uma das características de São Paulo são as antenas do espigão Paulista-Sumaré. Só na avenida Paulista existem atualmente 12 torres de transmissão de rádio e TV. O interesse das empresas de comunicação pela avenida deve-se ao fato de ser um dos pontos mais altos da cidade.

 

Projetado em 1957 pela arquiteta Lino Bo Bardi (esposa do ex-curador Pietro Maria Bardi) e inaugurado em 1968, o Museu de Arte de São Paulo/MASP, ocupa o espaço do antigo belvedere do Trianon e possui um dos maiores vãos livres de concreto do mundo, com 74 metros. Considerado o mais importante museu de arte ocidental da América Latina, o MASP se tornou um dos principais símbolos de São Paulo.

 

O Museu de Arte de São Paulo foi inaugurado pela rainha Elizabeth II, do Reino Unido, na presença do então governador Roberto Costa de Abreu Sodré e sua esposa, dona Maria do Carmo de Abreu Sodré.

 

O parque Tenente Siqueira Campos, mais conhecido como Parque Trianon ou Parque do Trianon, foi inaugurado em abril de 1892 com a abertura da avenida Paulista. Foi projetado pelo paisagista francês Paul Villon. O nome Trianon veio do fato de, naquele tempo, existir no local onde hoje se situa o Museu de Arte de São Paulo, em frente ao parque, um clube com o nome de Trianon.

 

O parque Mário Covas foi inaugurado em 21 de janeiro de 2010. Com a construção patrocinada pelo banco Itaú, ele recebeu esse nome em homenagem ao falecido prefeito da cidade e governador do estado de São Paulo Mário Covas.

 

O Conjunto Nacional foi projetado pelo arquiteto David Libeskind e inaugurado em 1956. É composto de volumes básicos, sendo um horizontal, ocupando toda a área disponível da quadra, e outro vertical, dividido em três torres contíguas, recuadas das avenida, com 25 andares cada uma. Dizem que foi lá que surgiu o primeiro shopping center do Brasil. Também foi lá que, durante muito tempo, funcionou o restaurante Fasano.

 

Desde 1976 funciona na avenida Paulista, no alto do Conjunto Nacional, o relógio luminoso do Itaú, onde esteve instalado durante 16 anos o relógio da Willys. Reformado em 1992, o relógio é constituído por um complexo eletrônico de última geração, controlado por um computador que marca a hora e a temperatura, legíveis a 15 quilômetros de distância.

 

O prédio da Fiesp/Ciesp (Federação da Indústria do Estado de São Paulo), onde funciona o Teatro Popular do Sesi, foi projeto pelo escritório Rino Levi Arquitetos Associados e inaugurado em 1979.

 

O Réveillon na Paulista é realizado todos os anos. Seus shows musicais atraem mais de 2 milhões de pessoas na noite de 31 de dezembro e madrugada de 1 de janeiro. A queima de fogos de artifício dura cerca de 15 minutos.

 

A primeira Corrida de São Silvestre foi realizada em 1924, com patrocínio do jornal A Gazeta, do jornalista Cásper Líbero. A corrida acontecia na passagem de ano, exatamente à meia-noite. Atualmente é uma competição internacional de atletismo realizada no dia 31 de dezembro – e durante o dia.

 

A Parada do Orgulho LGBT surgiu em 1997 na avenida Paulista. Com apenas 2 mil participantes no primeiro ano, hoje ela é acompanhada por mais de 2 milhões de pessoas. É um dos maiores eventos do gênero no mundo. Com concentração no vão livro do MASP, ela termina na rua da Consolação, altura da igreja da Consolação. Ocorre sempre no domingo após o dia de Corpus Christi.

 

Inaugurado em 1962, o edifício da Fundação Cásper Líbero abriga as rádios Gazeta AM e FM, a Rede Gazeta de Televisão, o jornal A Gazeta Esportiva e a Faculdade Cásper Líbero. Recentemente, passou também a abrigar o complexo Reserva Cultural.

 

A capela São Luís, atual Paróquia São Luís de Gonzaga, foi consagrada em 1935 por Dom José Gaspar de Fonseca e Silva. Atualmente é aberta ao público de segunda à sexta-feira com horários restritos: 8h, 12h e 19h. Aos sábados, é aberta às 8h e 15h e aos domingos, às 8h, 9h30, 11h, 18h e 19h30.

 

A Casa das Rosas foi o último projeto do arquiteto Ramos de Azevedo, realizado no ano de 1928. Construída em 1935 para a sua filha, a casa foi concebida nos padrões do classicismo francês. Dividida em quatro pavimentos, 2.845 metros quadrados de área construída num terreno de 5.500 metros quadrados. Atualmente, é uma galeria vincula à Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo.

 

Poucas pessoas sabem (inclusive moradores da cidade de São Paulo), mas existem cinco cemitérios a poucos metros da avenida Paulista. Os mais conhecidos são o cemitério do Araçá e o cemitério da Consolação. Detalhe: o cemitério da Consolação foi o primeiro cemitério da cidade.

 

Outra coisa que poucos se deram conta: além de abrigar três shoppings centers de tamanhos médio e pequeno, a avenida Paulista é vizinha de três shoppings de grande porte: shopping Pátio Paulista, shopping Frei Caneca e shopping Pátio Higienópolis.

 

E mais outra: existem na região nada menos sete complexos de cinema. O mais tradicional é o Belas Artes (atualmente chamado de Caixa Belas Artes), na esquina com a rua da Consolação.

 

E mais outra: a Paulista é endereço de 25 emissoras de rádio, entre elas a Kiss FM, a Jovem Pan, a Tupi e a Gazeta. A verdade é que 25% do dial da cidade de São Paulo está na avenida.

 

Outra: cerca de 1,5 milhão de pessoas circulam diariamente na avenida, o equivalente à população de cidades como Porto Alegre, Belém e Recife.

 

Outra: a Paulista é endereço de mais de 20 consulados, entre eles o da Argentina, da Coreia do Sul, da África do Sul, da França, da Itália, da Bolívia, da Bolívia e da Índia.

 

Por último: a Paulista é vizinha do maior complexo hospitalar da América Latina. O Hospital das Clínicas atende milhares de pessoas todos os dias, vindas de todos os cantos. O complexo inclui o Instituto do Coração e o Hospital Emílio Ribas.

 

Fontes: Wikipédia, Associação Paulista Viva, Instituto Itaú Cultural, Veja São Paulo e Performance Paulista.

 

Share: