A eletricidade foi descoberta pelos gregos por volta de 600 antes de Cristo. Um homem chamado Tales descobriu que, ao esfregar um pedaço de âmbar com pano, este atraía pequenos objetos (o âmbar é a seiva endurecida de certas árvores).

 

Em 1750, o inglês William Gilbert fez experiências semelhantes e, observando os mesmos efeitos, deu a este fenômeno o nome de eletricidade, a partir da palavra grega elektron, que quer dizer âmbar.

 

A luz viaja tão rápido – cerca de 300.000 quilômetros por segundo, cabe aqui lembrar – que vemos o clarão brilhante de um relâmpago instantaneamente. Mas precisamos esperar algum tempo para ouvir o trovão.

 

Noventa por centro da eletricidade consumida no Brasil é gerada por usinas hidrelétricas, sendo a maior parte na usina de Itaipu.

 

A usina de Itaipu é atualmente a maior do mundo, mas foi recentemente ultrapassada pela usina chinesa de Três Gargantas.

 

As bolas alaranjadas e avermelhadas colocadas nos fios de alta tensão que cruzam as rodovias servem para sinalização visual para os pilotos das aeronaves, quando tiverem que utilizar as estradas para pousos de emergência.

 

A média de consumo anual de energia elétrica de um brasileiro é de 1.760 quilowatts-hora por ano, enquanto que a média mundial é de 2.200 quilowatts-hora. Essa pequena diferença entre a média mundial e a brasileira é porque não foram levadas em conta as particularidades de alguns países como os invernos extremamente rigorosos do hemisfério norte.

 

Os maiores consumidores de energia elétrica são em primeiro lugar os Estados Unidos, seguidos por Japão, China, Canadá, Alemanha, França, Inglaterra, Itália e Brasil. Sendo que o estado norte-americano da Califórnia consome sozinho a mesma quantidade de energia elétrica que o Brasil inteiro.

 

Kwh é a medida da eletricidade consumida por um aparelho durante o tempo em que ele estiver funcionando. Watt-hora é a quantidade de energia necessária para alimentar durante uma hora uma carga com potência de 1 watt.

 

AC-DC é a sigla para alternating current/direct current, que em bom português significa corrente alternada/corrente contínua. É uma sigla usada em aparelhos que podem ser utilizados em duas correntes. Detalhe: é também o nome de uma banda de rock de origem australiana.

 

São várias as diferenças entre as tensões 110 e 220 volts. O choque numa tomada de 110 volts é, por exemplo, bem menor do que numa de 220 volts. A tensão com a manutenção mais barata é a de 220 voltas, ao contrário do que muitos imaginam por aí. Quanto à tensão mais econômica, não existe muitas diferenças, pois isso depende mais do tipo de aparelho e do tempo de uso. Por falar em tensões…

 

Você sabia que a melhor tensão para evitar apagões é a de 220 volts? Os apagões ocorrem quando residências, edifícios comerciais e indústrias solicitam mais corrente elétrica à rede de distribuição. Uma das melhores formas de evitar essa sobrecarga é ligar aparelhos em 220 volts porque, quanto maior for a tensão, menor será a corrente que os aparelhos necessitam para continuar funcionando.

 

Volt é a unidade de tensão elétrica que denomina o potencial de transmissão de energia entre dois pontos distintos no espaço. Recebeu esse nome em homenagem ao físico italiano Alessandro Volta.

 

Os aparelhos elétricos domésticos que mais consomem energia são os cooktops (fornos e fogões elétricos) e a geladeira de duas portas. Seguem-se a eles a lavadora de louças, a geladeira de uma porta, o micro-ondas e o ferro de passar roupas.

 

Qual possui o custo mais elevado, a produção de energia por usinas nucleares, termoelétricas ou hidrelétricas? São as usinas nucleares, cujo custo médio de produção é de US$ 10 mil (dólares por kilo-watt instalado).

 

Fontes: Como Tudo Funciona, Enciclopédia Ilustrada Folha, Wikipédia, Mundo Estranho, Significados.com.

 

Share: