O prêmio Nobel é uma homenagem ao sueco Alfred Nobel. É concedido todos os anos a pessoas que se destacaram em áreas como literatura, medicina e química, entre outras. O primeiro Nobel foi distribuído em 1901. Saiba mais sobre a vida de Alfred Nobel e conheça algumas curiosidades sobre o prêmio.

 

Alfred Bernhard Nobel, o criador do prêmio Nobel, nasceu em Estocolmo, capital da Suécia, no dia 21 de outubro de 1833. Morreu em Sanremo, na Itália, em 10 de dezembro de 1896.

 

Alfred Nobel nunca recebeu educação formal, foi educado em casa com professores autodidatas.

 

Nobel não gostava de ser retratado. O único quadro que o representa foi pintado depois de sua morte.

 

Nobel não ligava para condecorações! Gostava apenas de dizer que ganhara a Estrela do Norte da Suécia por ter um bom cozinheiro e a Ordem Brasileira da Rosa porque fora apresentado casualmente ao imperador Pedro II.

 

Não casou, nem teve filhos. Na ânsia de encontrar uma parceira, publicou num jornal austríaco um anúncio no qual “um senhor de certa idade, rico e instruído afirmava procurar mulher experiente e de certa classe, fluente em outros idiomas, para Ihe servir de secretária e dama de companhia”. O anúncio foi respondido por Bertha Kinski von Chinic que, ao final, não só se tornou amiga de Nobel, como o influenciou com seus ideais pacifistas.

 

Sua primeira patente foi um detonador de percussão conhecido como Processo Nobel.

 

Trabalhou na fábrica de nitroglicerina do pai, que foi literalmente pelos ares. A nitroglicerina é um produto altamente explosivo. Emil, seu irmão, morreu no acidente.

 

Tentou erguer uma nova fábrica, mas acabou impedido pelas autoridade suecas. A solução encontrada por Nobel foi construir a nova instalação numa balsa.

 

No final das contas, Nobel criou a borracha sintética, a nitroglicerina gelatinizada (um explosivo mais poderoso), o detonador e a dinamite, entre outros inventos. Mas não foram apenas suas patentes que o transformaram num homem rico. Nobel enriqueceu também com a exploração de petróleo na Rússia.

 

Abalado com o uso de seus inventos para fins bélicos, teve a iniciativa de lançar a Fundação Nobel em testamento. O objetivo da Fundação seria premiar todos os anos personalidades que mais benefícios tivessem prestado à humanidade.

 

O Prêmio Nobel foi distribuído pela primeira vez em 1901, cinco anos após a morte de seu criador.

 

O Nobel de economia só foi criado em 1968 para comemorar os 300 anos do Banco da Suécia.

 

Além de uma bolada em dinheiro, os ganhadores do Nobel são agraciados com uma medalha e um diploma reconhecendo seus méritos. Também é oferecido um jantar de gala em Estocolmo, normalmente com a presença do rei e da rainha da Suécia.

 

Atendendo a uma vontade do próprio Alfred Nobel, o prêmio Nobel da paz é escolhido na Noruega, não na Suécia.

 

Quando o comitê organizador entende que não há para quem distribuir o prêmio, ele não é distribuído. Isso já aconteceu 20 vezes com o Prêmio Nobel da paz.

 

Pausa para uma pergunta: de que modo a organização escolhe os indicados? Através de cartas enviadas a pesquisadores e acadêmicos de diversos países pedindo indicações. Detalhe: ninguém pode indicar a si mesmo.

 

A primeira mulher a ganhar um Prêmio Nobel foi a polonesa Marie Curie, em 1903.

 

A família que mais recebeu o prêmio foi a Curie: três, no total. Pierre Curie levou um e Marie, dois.

 

Por falar em Marie Curie, foram poucas as mulheres agraciadas com o prêmio. Em 2010, elas não chegavam a 45.

 

Até 2014, o físico australiano Lawrence Bragg, que ganhou a honraria aos 25 anos de idade, era considerado o mais jovem ganhador do Nobel. Bragg só foi superado pela paquistanesa Malala Yousufzai, que ganhou o prêmio Nobel da paz por defender o direito das meninas paquistanesas e afegãs de frequentarem a escola.

 

O mais velho ganhador foi o russo-americano Leonid Hurwicz, que recebeu o Nobel de economia aos 90 anos, em 2007.

 

O prêmio Nobel foi rejeitado por diversas personalidades, entre elas o filósofo francês Jean Paul Sartre e o escritor russo Boris Pasternak (este, mais por pressão política).

 

Pode haver mais de um vencedor por categoria. Os prêmios Nobel da paz e de economia, por exemplo, já foram diversas vezes distribuído a mais de uma pessoa.

 

Os 10 países que mais venceram o Prêmio Nobel até o ano de 2010 foram: Estados Unidos (243 premiações), Reino Unido (92), Alemanha (81), França (53), Suécia (28), Rússia (27), Polônia (26), Itália (19), Suíça (17), Holanda (17).

 

O país mais agraciado com o Nobel de literatura foi a França, com 11 prêmios.

 

Quantos prêmios o Brasil ganhou? Humilhação total: zero!

 

O Brasil pelo menos pode ter a honra de dizer que teve diversos “indicados” ao prêmio, entre eles o líder religioso Chico Xavier, o sanitarista Carlos Chagas, o físico César Lattes e o escritor Jorge Amado.

 

Um curiosidades muito interessante: o ditador nazista Adolf Hitler cogitou de criar um prêmio concorrente chamado Prêmio Hitler.

 

Aliás, você sabia que Hitler proibiu alemães de receber o Prêmio Nobel?

 

Você já ouviu falar na maldição do Nobel? Pois é, existe uma lenda que reza que, após receberem o prêmio, os supostos sortudos se tornam improdutivos, são esquecidos pelo público ou até mesmo assassinados.

 

Share: